Milfurada

Hypericum perforatum L.

Hypericum androsaemum L.

Conhecem-se algumas variedades, sendo a mais famosa o Hypericum androsaemum L., que se distingue principalmente pela forma das folhas um pouco maiores e de uma cor verde mais viva na página superior e menos acentuada na inferior. As flores também são proporcionalmente maiores e a cor de um amarelo-dourado. Encontra- se nas zonas mais húmidas das serras do Gerês, de Sintra e de Monchique.

O nome popular milfurada faz alusão às características das suas folhas e o outro nome porque é conhecido o hipericão, filho-do-roble, é devido à cor que toma no estado de maturação. (…)

O hipericão começa a florescer no mês de Maio e mantém-se florido ate Junho/Julho. Cada flor é constituída por cinco pétalas que se fecham ao crepúsculo, ou com a ausência de sol, e só voltam a abrir quando os reflexos solares pairam sobre elas. A cor amarelo-viva vai paulatinamente passando para um tom acobreado que se manifesta também nos caules, tomando toda a planta uma tonalidade uniforme no Outono. É nesta fase que o sabor amargo se vai suavizando.

Como tantas outras plantas de sabor amargo, adapta-se bem à poluição, propagando-se até à beira das estradas e absorvendo os gases dos veículos motorizados, sem expressar qualquer alteração visível. Quando contaminada torna-se um perigo para a saúde, com a agravante de que actua particularmente no fígado e no sistema nervoso.

Colheita: Começa-se por colher apenas 2 pétalas das flores completamente desabrochadas de modo a que continuem a formar o casulo que protege o ovário da flor durante a noite. No Outono, quando a cor bronze-dourada atinge a uniformidade, corta-se o caule a 5 cm da raiz.


Conservação:

As pétalas das flores mantêm a vitalidade mais ou menos 7 horas. Após a colheita do caule separam-se as folhas e as sementes e colocam-se em cestos, por separado, para secarem em boas condições, visto que têm constituições diferentes. Terminado o processo de secagem guardam-se as folhas e as sementes em recipientes distintos.

Os caules cortam-se em pequenos troços e guardam-se igualmente em frascos de vidro opaco. Conservam-se durante um ano.

As folhas e as sementes têm um período menor de duração. Em geral, mantêm-se 5 a 7 meses. Ao guardarem-se por separado consegue-se uma melhor conservação e facilita-se o seu emprego.


Forma de utilização:

Pétalas frescas em emulsão.

Folhas secas em infusão.

Sementes em decocção.

Caules em decocção.


Indicações:

A emulsão proporciona uma melhor eficácia, destacando-se os seguintes efeitos: purificante, antioxidante, antidepressivo, hepático e diurético. Toma-se preferencialmente em jejum e no intervalo das refeições. A infusão proporciona principalmente os efeitos diurético, tónico e vulnerário. A decocção proporciona em especial os efeitos depurativo, antipodágrico, vermífugo, hepatálgico, cicatrizante, antidepressivo e vulnerário. A infusão e a decocção podem tomar-se a seguir às refeições.

Uma pequena taça de infusão ou de decocção pode ajudar a evitar a acumulação de resíduos e a astenia que surge, geralmente, após a ingestão da maioria dos alimentos.

As tisanas também se utilizam no tratamento externo. A emulsão aplicada directamente sobre a pele faz aumentar a tonicidade e ajuda a curar a acne e outras erupções do tecido cutâneo. Os pachos quentes aliviam dores lombares provocadas pela gota, pelo reumatismo e por espasmos nervosos.

Para se conseguir melhores resultados e mais duradouros, faz-se tratamento interno e externo durante 5 dias consecutivos. Nesse período deve tomar-se um litro de tisanas de hipericão diariamente e aplica-se a emulsão ou compressas de 1 a 3 vezes por dia, conforme o diagnóstico e os resultados pretendidos. No caso de edema ou celulite, a emulsão deve ser aplicada 2 vezes ao dia no mínimo, e passados os 5 dias reduz-se o tratamento para 3 vezes por semana num período de 3 meses. Deve seguir-se também um regime alimentar especial. (…)

O hipericão, bem administrado, influi beneficamente na nossa saúde. No entanto a prescrição desta planta exige cuidados especiais uma vez que interage com vários grupos de medicamentos químicos, como por exemplo os anticoncepcionais. A investigação científica faz apenas referência ao hipericão perforatum L, mas as outras variedades possuem características semelhantes e supostamente os efeitos não são diferentes.

Este é um exemplo da necessidade premente de um estudo minucioso das plantas aromáticas e medicinais.


Fonte: Guia Ecológico das Plantas Aromáticas e Medicinais de Zélia Sakai

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close