genciana

Genciana-Amarela – Argençana-dos-pastores – Gentiana lutea L.

Diz  a lenda que o nome genciana provem de Gentuis, rei da Ilíria séc. 2 a.C. a quem é atribuída a descoberta das suas propriedades medicinais. A designação argençana-dos-pastores é devida à utilização que dela faziam os pastores para as suas mezinhas pessoais e também para tratar as ovelhas em caso de doença.

Encontra-se nas regiões montanhosas e ricas em vegetação. Floresce no princípio da primavera. As belíssimas flores apresentam um tom amarelo-dourado. É esta característica da cor das suas flores  que nos permite distingui-la entre outras espécies muito parecidas, algumas delas tóxicas . Os pastores conheciam-na, visto que que as ovelhas  só comiam da planta dotada de virtudes curativas.

Colheita: Colhem-se os capítulos das flores completamente desabrochados. No final do Outono, colhe-se a raiz das plantas com cerca de 5 anos de existência. Nesta fase da vida já deu origem a novas plantas que asseguram a continuidade da espécie.

Conservação: Os capítulos mantém a vitalidade e a cor mais ou menos 7 dias. Uma raiz com 5 anos de existência conserva o vigor durante 15 a 20 dias. Quando seca, dura cerca de 3 anos.

Forma de utilização:

  • Capítulos  amarelos em emulsão.
  • Raiz em decocção, trituração e maceração.

Indicações: A emulsão proporciona uma melhor eficácia,  destacando-se os seguintes efeitos: purificante, vitamínico, antioxidante, revigorante, tónico, refrescante e vulnerário. Toma-se preferencialmente em jejum. A decocção proporciona em especial os efeitos depurativo, energético, cardiotónico, digestivo, expectorante, laxativo e vermífugo. Pode tomar-se após o almoço. O produto obtido pelos processos de trituração e maceração proporciona principalmente os efeitos energéticos, emoliente e vulnerário. É um emulsionador dos resíduos tóxicos, expulsando-os com suavidade pelas vias excretoras, ocasionando uma desparasitação, arrastando as salmonelas e até a solitária . É igualmente muito eficaz  para ajudar a reduzir edemas, celulite, e a cicatrização de feridas.

As tisanas utilizam-se também no tratamento externo.  A emulsão aplicada directamente tonifica e suaviza a epiderme e com continuidade dá um tom bronzeado que protege das agressões  ambientais. Os pachos quentes aliviam dores provocadas pelo reumatismo e pela gota.

Para se conseguir um bom efeito purificador devem fazer-se tratamento interno  e externo, principalmente na época da floração, durante 5 dias consecutivos, reduzindo-se para uma vez por semana.

Fonte: Guia Ecológico das Plantas Aromáticas e Medicinais de Zélia Sakai

Pin It on Pinterest