Rosmarinus officinalis L.

Alecrim-alvar (Rosmarinus officinalis L.)

Alecrim-dourado

Alecrim do campo Lantana microfyllia Martius

Alecrim do mato Baharis sylvestre synamthereas

O alecrim é um arbusto vivaz que se encontra nas regiões montanhosas, irrompendo até por onde as brechas de certas rochas. Pode chegar a atingir de 2 a 3 metros de altura, ou ficar pequeno e robusto como um verdadeiro bonsai. Floresce desde o princípio do Outono continuando até à Primavera. É nesta fase que melhor se identifica a espécie considerada virtuosa, conhecida desde tempos remotos por alecrim-alvar, devido exatamente à brancura imaculada das suas inflorescências, enquanto que nas outras variedades as inflorescências apresentam tonalidades, brancas, lilases, roxas, e rosas mais ou menos acentuadas, conforme as condições ecológicas do seu ambiente. A fotografia 4 apresenta o alecrim-alvar em plena floração. O alecrim- dourado é assim conhecido porque as folhas adquirem um tom amarelo dourado no Outono, caraterística que só se manifesta nas plantas que nascem espontaneamente em terras virgens junto de determinadas rochas, e pendura apenas enquanto permanecer o suave calor do Verão tardio. Com as primeiras chuvas as folhas readquirem acor verde-viva. Em algumas regiões havia a tradição de oferecer um ramo de alecrim-dourado como símbolo de amor, segundo a crença de que se a cor perdurasse a afeição seria eterna. Em relação ao alecrim-alvar, diz a lenda que nos campos da palestina existiam outrora grandes moitas de alecrim que na época da floração pareciam cobertas de neve e que o Menino jesus aí se isolava durante horas. Sua mãe, preocupada com as suas demoradas ausências percorria ansiosa esses lugares e por onde passava as flores tomavam as tonalidades dos seus mantos. Tal como outras lendas, nesta parece encontrar-se um misto de fantasia e de realidade. Com efeito, há estudos acerca da relação das cores dos solos e das plantas, que mostram alterações notórias desde há 2000 anos. Parece que a camada da superfície terrestre começou a mudar notavelmente de cor desde então e as plantas com flores brancas começaram a rarear, notando-se a predominância das tonalidades lilás e púrpura, sinal de excesso de substâncias poluentes, em especial elementos radioativos. No início dos anos 70 encontrei alecrim-alvar na serra de Monchique, na zona da picota (lado nascente) então coberta por grandes moitas de alecrim e de rosmaninho branco. Em breve constatei o desaparecimento destas e de outras plantas espontâneas, devido à plantação de eucaliptos que consomem os solos, não dando oportunidade ao reflorescimento de outras espécies. Comprovei, também, que o alecrim cultivado em terrenos tratados com produtos químicos dá flores com tonalidades mais roxas do que a mesma espécie no estado espontâneo. Em algumas zonas das serras de Monchique e da arrábida pode ver-se alecrim no estado espontâneo, cujas inflorescências apresentam tonalidades brancas e rosas suaves, e muito próximo, mas no estado subespontâneo, o alecrim ostenta uma cor roxa. O alecrim é uma das espécies aromáticas mais conhecidas e apreciadas, devido às suas vastas propriedades medicinais. A sua ação vivificante manifesta-se rapidamente na melhoria da memoria. Atribuíram-lhe o poder de aumentar a beleza e longevidade.

Colheita: As folhas verdes da base dos ramos podem colher-se durante todo o ano no alecrim-alvar e sempre antes do nascer do sol. Na espécie que dá flores na fase anterior e posterior à floração, visto que na época do florescimento os componentes tóxicos se expandem com maior veemência. Quando o alecrim atinge o tom amarelo dourado, podem colher-se alguns ramos, no final da tarde. As inflorescências alvares colhem-se conforme vão atingindo a plenitude e preferencialmente ao pôr do sol. As inflorescências que apresentam tonalidades lilases ou roxas não se devem colher porque provocam intoxicações. As suas cores e aromas têm uma ação repelente que afasta os mosquitos e outros insetos nocivos à saúde. Não devemos esquecer a função das plantas espontâneas no equilíbrio ambiental. Desse equilíbrio depende a saúde holística.

Conservação: As folhas verdes são muito sensíveis. Para manterem a cor e a vitalidade ao serem colhidas, introduzem-se imediatamente num frasco de vidro opaco com água viva proveniente de uma pura nascente. As folhas amarelo -douradas conservam-se melhor e podem secar-se. As inflorescências são igualmente muito sensíveis. Para um melhor aproveitamento das suas substâncias, nomeadamente o néctar, após a colheita procede-se do mesmo modo do que para as folhas verdes e viçosas. As folhas amarelo- douradas, após a secagem, guardam-se num frasco de vidro opaco e duram mais ou menos 5 meses.

Forma de utilização:

  • Folhas verdes e inflorescências alvares frescas em emulsão.
  • Inflorescências secas em infusão.
  • Folhas douradas em emulsão.

Indicações: A emulsão feita com as inflorescências proporciona uma maior eficácia, destacando-se os seguintes efeitos: purificante, vitamínico, vivificante, galactagogo e antioxidante. A emulsão preparada com as folhas proporciona em especial os efeitos: depurativo, emoliente, tónico, diurético, expetorante, antiescorbútico, revigorante, refrescante e aperitivo. A infusão proporciona principalmente efeitos depurativo e estimulante. As tisanas de alecrim tomam-se de imediato à sua preparação preferencialmente em jejum e no intervalo das refeições porque a ação estimulante é mais eficaz sem a interferência de outros alimentos, e também de aprecia melhor os peculiares aroma e sabor que deixam uma agradável sensação de frescura. A água de alecrim tornou-se famosa devido principalmente ao seu efeito rejuvenescedor. Foi também comprovada a sua ação curativa contra tosses húmidas, clorose, escrófulas e outros males. A emulsão aplicada diretamente sobre a pele faz aumentar a tonicidade e dá-lhe um notável brilho. É igualmente muito eficaz para os cabelos. Aplicada após a lavagem, penetra no couro cabeludo fortalecendo as raízes e tornando os cabelos mais sedosos. Um banho bem aromatizado com uma infusão de alecrim produz uma ação estimulante que se traduz num bem-estar geral. Para se obterem melhores resultados e mais duradouros, deve fazer-se um tratamento interno e externo durante 5 dias consecutivos uma vez por mês.       

Fonte: Guia Ecológico das Plantas Aromáticas e Medicinais de Zélia Sakai

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close