Apium graveolens

Aipo (Apium graveolens L.)

Var. lusitanicum De e var. silvestre Camb.

A designação desta planta em latim, Apium, faz referência à sua afinidade com regiões húmidas. De facto, o aipo nasce naturalmente em algumas montanhas que possuem exuberante vegetação espontânea, nas zonas mais frescas e, por vezes, junto dos pequenos cursos de água. Encontra-se por quase toda a área da bacia do mediterrânio. É uma planta vivaz, de um tom verde-vivo aroma penetrante, sabor entre o amargo e o picante. Floresce de maio a junho. As inflorescências apresentam uma alvura imaculada. Ao atingir a maturidade, cerca de 3 anos de existência, começa a formar um bolbo que concentra no seu interior uma energia. Na parte interna é branco-marfim e a sua textura é muito suave. Desprende um aroma inebriante e o sabor é delicioso. A fotografia 2 mostra o aipo subespontâneo passados 3 anos da sua adaptação nos terrenos da Casa da paz. A fotografia 3 apresenta o aipo cortado, a casca utiliza-se para tisana e a parte interna utiliza-se no combinado de vegetais. No estado espontâneo, o aipo com um ano de existência já deu origem a 2 ou 3 filhos e aos 5 anos deixa de apresentar a parte aérea e o bolbo começa a secar. Durante a civilização grego romana foi muito apreciado devido às suas numerosas propriedades nutritivas e curativas. Na Odisseia de Homero encontram-se referencias sobre as suas virtudes. Na idade Média consideraram o aipo um excelente remédio para a prevenção de eventuais intoxicações. O efeito diurético faz-se sentir de imediato. É também poderoso dissolvente de mucosidades e outros resíduos. Parece que passou a ser cultivado na idade Média em diversas regiões. Existem, porem, notáveis diferencias entre a planta de origem espontânea e a do cultivo, como aliás acontece com todas as que passaram a ser dominadas pelo homem.

Colheita: As folhas verdes podem colher-se quase todo o ano. Quando as inflorescências atingirem a sua plenitude podem cortar-se alguns ramos. No outono a parte aérea começa a amarelecer, sinal de que a seiva passou a concentrar-se na raiz. Nessa fase corta-se o caule principal. O bolbo só deve ser colhido quando a planta não der qualquer sinal de florescimento. Após a colheita lava-se o bolbo em água corrente de modo a limpar todas as impurezas.

Conservação: As folhas ao separarem-se da planta mãe, passadas 3 a 5 horas começam a dar sinal de perda de vitalidade e sofrem alterações na cor, no aroma e no sabor. Devem ser utilizadas enquanto mantêm o vigor. Os ramos floridos mantêm-se melhor com a exclusão das folhas verdes e conservam-se naturalmente de 2 a 3 dias. O bolbo dura de 5 a 7 dias no estado natural. Mas pode guardar-se no frigorifico, com o prejuízo da perda da seiva, do aroma e do sabor.

Forma de utilização:

  • Folhas verdes e ramos floridos em emulsão e na culinária
  • Caules verdes na culinária
  • Bolbo, a parte exterior em decocção e a parte interior na culinária.

Indicações: A emulsão proporciona uma melhor eficácia, destacando-se os seguintes efeitos: purificante, vitamínico, anti- reumático, diurético, béquico e tónico. Toma-se preferencialmente em jejum. A decocção proporciona em especial os efeitos depurativo, energético, diurético, febrífugo e expetorante. Pode tomar-se após o almoço. As folhas verdes nas saladas ou nas sopas fornecem diversos nutrientes e exercem um efeito estimulante. Os caules crus bem mastigados deixam uma sensação de frescura evitando o mau hálito. O bolbo cozido proporciona um aumento de energia e ajuda a eliminar o ácido úrico.

Fonte: Guia Ecológico das Plantas Aromáticas e Medicinais de Zélia Sakai

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close