útero

Útero – Natureza feminina. Originalidade e espontaneidade.

É o órgão da gestação e o principal agente de expulsão trabalho de parto; também promove a menstruação. Tem o formato de uma pêra achatada na sua parte mais fina. Essa parte mais delgada é chamada de colo do útero; a parte mais volumosa é conhecida como corpo do útero.

No seu estado normal, mede aproximadamente 7,5 cm de comprimento por 5 cm de largura. Fisiologicamente, quando o útero não está desempenhando sua principal função de gestação, permanece no corpo da mulher somente para promover a menstruação. No entanto, metafisicamente ele representa um importante referencial do ser vivo. A alma é a fonte da vida; sendo o útero o berço que embala a existência de um ser, ele representa a natureza íntima da mulher. As boas condições uterinas são preservadas por quem concretiza os seus objetivos, realizando-se no ambiente em que vive, sem sabotar a originalidade e a espontaneidade.

Cada um de nós é dotado de um estilo original, que não deve ser corrompido ao longo da vida. As orientações recebidas das pessoas mais experientes servem de diretrizes, mas nunca são um modelo a ser seguido na íntegra. Os conselhos acerca de como devemos proceder numa situação precisam ser ouvidos, mas a forma de proceder frente à situação tem que estar de acordo com nosso perfil.

A espontaneidade é uma qualidade do ser que possibilita a vertente das qualidades internas. Caso uma pessoa venha a ser bem-sucedida por agir de uma determinada maneira, é porque foi autêntica. Ao copiarmos o modelo de sucesso praticado pelos outros, estamos deturpando o nosso jeito de ser e perdendo a oportunidade de desenvolver os nossos próprios talentos.

Afinal, podemos fazer as mesmas coisas que os outros, porém, com o nosso estilo. Os resultados obtidos serão praticamente os mesmos, acrescidos ainda do sentido de realização pessoal. Desse modo, preservamos a integridade, que é um conteúdo indispensável para a felicidade. Ao passo que deixarmo-nos moldar pelo meio em que vivemos gera a frustração que nos arrasta à infelicidade. Quem não confia em si mesmo facilmente perde a originalidade.

Aquela mulher que não tem suporte interior para assumir os seus próprios atos acomoda-se a seguir o roteiro apresentado pelos outros; assim, caso não seja bem-sucedida daquela maneira, terá a quem responsabilizar. Quando se estabelece uma convivência com alguém que se ama, compartilhando de uma vida em comum, é muito fácil moldar-se ao outro.

Obviamente, é necessário haver uma adaptação de hábitos e costumes para manter a harmonia no relacionamento. No entanto, algumas mulheres levam isso a termo, reprimindo-se diante do parceiro. Essa conduta é porta para os insucessos afetivos. A anulação de si no relacionamento não fortalece os laços nem tampouco une os casais; ao contrário, desgasta o sentimento e distancia as pessoas. Entretanto, a autenticidade de ambos promove a verdadeira união e intensifica o sentimento, proporcionando a felicidade conjugal.

Assuma um posicionamento diante dos outros, respeite o seu jeito de ser. Admita que você é parte integrante do meio em que vive, atue de maneira original e conquiste o seu espaço na vida. Existe na realidade uma lacuna a ser preenchida com os seus conteúdos. Caso você não se coloque nela, os outros interferirão no seu desempenho, invadirão esses espaços e até intervirão no seu mundo interior, exigindo que você se adapte ao modo estabelecido por eles. Não permita que os outros interfiram na sua maneira de ser e fazer a ponto de anularem a sua essência. Fundamente a sua vida nos valores internos; não se renda aos fatores externos, para não comprometer a sua experiência pessoal. Não perca a oportunidade de viver intensamente a sua trajetória. Cada gesto seu é uma sensação nova que você experimenta na vida. A sua manifestação representa o maior fenómeno na vida. A natureza solicita a todo instante a sua interação com a realidade. A originalidade marca a sua presença no ambiente, melhora o seu desempenho e contagia todos que o rodeiam.

Metafísica da Saúde vol. 2 Sistemas Circulatório, Urinário e Reprodutor, Valcapelli & Gasparetto (Adaptado)

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close