ulmeira
Ulmeira (Filipendula ulmaria (L.) Maxim.) – Anti-reumática e depurativa

As folhas desta planta lembram as do ulmeiro, de onde lhe vem o nome. Usa-se desde o século XVI contra as dores reumáticas. Actualmente conhecem-se-lhe muitas outras virtudes.

Propriedades e Indicações:

As flores, e em menor proporção as folhas, contêm o glicósido monotropitina, que por hidrólise, na planta fresca, se transforma em salicilato de metilo e aldeído salicílico, e, depois de seca, em ácido salicílico livre e salicilatos alcalinos.

Todos estes derivados salicílicos proporcionam, à semelhança do ácido acetilsalicílico (aspirina), acção anti-inflamatória, analgésica e febrífuga. Possui ainda flavonóides de acção diurética.

Tem as seguintes aplicações:

Dores reumáticas, causadas pela artrose, o reumatismo poliarticular agudo, ou pela artrite úrica (gota) (1).

Dores diversas: Também alivia as dores osteoarticulares (lumbago, torcicolo, dores nas costas) e as dores nevrálgicas (ciáticas, nevralgias). A sua eficácia contra as dores fica reforçada se, além de se ingerir a infusão (1), se aplicar localmente em compressas sobre a zona afectada (2)

Diurética: Por ser potente, mas não irritante, torna-se sumamente útil no caso de celulite; edemas (retenção de líquidos) por insuficiência cardíaca, que costumam manifestar-se sobretudo nos tornozelos e pés; assim como para diminuir a ascite (retenção de líquido no abdómen) dos doentes de cirrose (1).

Depurativa: A ulmeira é uma grande eliminadora de ácido úrico, uratos e outras toxinas, pois aumenta a sua excreção pelo rim (acção uricosúrica). Depura o sangue destas substâncias ácidas, que causam a gota, o artritismo e muitas dores reumáticas (1). Por isso, e pela sua acção anti-inflamatória e analgésica, é uma planta ideal para aqueles que sofrem de gota.

Dissolvente de cálculos: Própria para os que sofram de cálculos renais e areias, especialmente se forem de urato, pois favorece a sua dissolução e eliminação (1).

Tonificante geral: Aumenta o apetite, tem efeitos tónicos cardíacos e proporciona sensação de bem-estar. O seu uso é recomendado nos estados gripais e catarrais, assim como na convalescença de afecções debilitantes (1).

Preparação e emprego

Uso interno

1-lnfusão com 30-40 g de sumidades floridas por litro de água, de que se tomam até 5 chávenas diárias.

Uso externo

2-Compressas de uma infusão mais concentrada do que aquela que se usa internamente (até 80 g): Aplicam-se sobre a zona dorida ou afectada pela celulite, durante 10 minutos, duas ou três vezes por dia.

Sinonímia científica: Spiraea ulmaria L.

Outros nomes: erva-ulmeira, erva-das-abelhas, rainha-dos -prados. Esp.: ulmaria, reina de los prados, hierba de las abejas, altarreina, espirea, filipéndula, florón. Fr.: [spirée] ulmaire, barbe de bouc, reine-des-prês. Ing.: meadowsweet, queen of the meadow.

Habitat: Prados húmidos de toda a Europa, excepto a região mediterrânea. Cria-se nalgumas regiões frias do Norte e do Sul do continente americano.

Descrição: Planta vivaz, da família das Rosáceas, que atinge até 1,5 m de altura. Os caules são erectos e as folhas são prateadas pela face inferior. Dá flores pequenas, perfumadas, de um branco-amarelado, dispostas em ramalhetes terminais.

Partes utilizadas: as sumidades floridas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close