Tília (Tilia europaea L.) – Acalma os nervos, protege o coração… e muito mais

As tílias são árvores majestosas que vivem vários séculos, e que parecem convidar-nos a uma vida sossegada e serena, como a que elas mesmas têm. Nos países do centro e do norte da Europa, a tília simboliza a unidade familiar e a paz doméstica. O emprego da popular tília (infusão de flores) como sedativo remonta ao Renascimento, e é hoje um dos remédios vegetais mais utilizados.


Propriedades e Indicações:

As flores da tília contêm uma essência aromática rica em magnésio, com propriedades sedativas, antiespasmódicas e vasodilatadoras; mucilagens e pequenas quantidades de tanino, que as tornam emolientes e anti-inflamatórias; e glicósidos flavonóides, que as tornam suavemente diuréticas e sudoríficas.

O córtex (casca) contém polifenóis e cumarinas, que lhe conferem propriedades coleréticas (aumentam a secreção de bílis), antiespasmódicas (especialmente activa sobre a vesícula biliar) hipotensoras e dilatadoras das artérias coronárias.

As suas aplicações são muito variadas, mas todas elas giram em torno dos seus efeitos sedantes e relaxantes:

Afecções do sistema nervoso (1,2,3): Pela essência que contém, a flor de tília é muito útil nos casos de excitação nervosa, angústia e ansiedade.

Insónia (1,2,3): A tília torna-se muito eficaz nos casos de insónia, pois provoca um sono natural. Ao contrário da maior parte dos hipnóticos e sedativos sintéticos, a infusão de tília não produz sonolência ou entorpecimento na manhã seguinte, e não gera dependência. No entanto há que ter presente que, como tratamento suave e nada agressivo que é, a tília actua lentamente, e os seus efeitos podem tardar vários dias para se manifestar.

Os banhos com água quente a que se junta infusão de flores de tília (4), têm um notável efeito tranquilizante e relaxante, e reforçam a acção da planta tomada por via oral em tisanas. Dão resultados espectaculares em caso de insónia rebelde.

Crianças nervosas ou que têm dificuldade em dormir (1,2,3): Recomenda-se também o uso da tília em pediatria, por não ter efeitos secundários ou indesejáveis. Convém às crianças hiperactivas ou irritáveis. Deve administrar-se durante vários dias ou semanas para que a sua acção se desenvolva.

Afecções respiratórias (1): Pelo seu conteúdo em mucilagens de acção emoliente, e pelo seu efeito antiespasmódico, a flor de tília é indicada nos catarros brônquicos, bronquites, asma, gripe e tosse rebelde das crianças. Pode-se juntar um pouco de casca para um efeito mais intenso.

Afecções cardíacas e circulatórias (1,2,3): Tanto a flor como a casca da tília têm um efeito vasodilatador e suavemente hipotensor. Actuam especialmente sobre as artérias coronárias. Estão muito indicadas no caso de angina de peito e de arritmias, que costumam afectar as pessoas com temperamento nervoso ou submetidas a stress, com o que obterão um duplo benefício.

Ultimamente descobriu-se que a tília (flor e casca da árvore) diminui a viscosidade do sangue, com o que este circula com maior fluidez. Deste modo, actua favoravelmente na prevenção do infarto do miocárdio e da trombose.

Os pletóricos, os cardíacos, os que sofrem de hipertensão arterial, os que têm predisposição para arteriosclerose, para o infarto e, em geral, para as afecções circulatórias, beneficiam especialmente do consumo da flor e da casca de tília.

Enxaquecas (2): A tília (especialmente a casca) tem-se revelado muito útil no tratamento da enxaqueca (dor de cabeça lancinante devida a espasmos arteriais), tão difícil de tratar por meios químicos. A sua acção é mais preventiva, pelo que se deve tomar de forma sistemática, e não apenas quando se apresenta o ataque.

Afecções digestivas (1): Pela sua acção colerética e antiespasmódica sobre a vesícula biliar, a tília, especialmente a flor, convém aos que sofrem de cálculos biliares ou de transtornos no funcionamento da vesícula biliar (disquinesias). Facilita a expulsão dos pequenos cálculos da vesícula biliar (areias na bílis). Ajuda a uma melhor digestão em caso de dispepsia biliar, intolerância às gorduras, flatulência ou distensão abdominal após as refeiçóes.

Afecções da pele (5): Aplicada externamente, a tília apresenta uma notável acção emoliente (anti-inflamatória e suavizante) sobre a pele. É indicada em caso de queimaduras, eczemas, furúnculos e irritações de origem diversa.

Beleza e cosmética: Torna-se de grande utilidade para combater os efeitos do vento, do frio ou do sol sobre a pele (pele seca, queimaduras solares). Usa-se em cosmética para dar suavidade e beleza à pele. O banho de vapor com tília abre os poros e limpa a pele.


Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão de flores: 20-40 g por litro de água. Ingerem-se cada dia 3-4 chávenas bem quentes; uma delas sempre antes de deitar. A tília pode-se adoçar com mel.

2-Decocção de casca: 30 g por litro de água durante 10 ou 15 minutos. Pode-se misturar com a infusão de flores, para obter um efeito mais completo.

3-Extracto fluido: A dose costuma ser de umas 20-40 gotas, três vezes ao dia, com uma quarta toma à noite antes de deitar.

 

Uso externo

4-Banho de flores de tília: Prepara-se com 300-500 g de flores postas em infusão com 1-2 litros de água, que se acrescentam à água do banho quente, imediatamente antes de o tomar.

5-Compressas: Quer seja para afecções da pele quer para beleza, embebem-se compressas numa infusão de 100 g de flores de tília por litro de água, que se mudam cada 5 minutos. Aplicam-se diariamente duas ou três vezes.


Outros nomes: Esp.: tilo, tila, tilia, tillera. Fr.: tilleul, til, tillet. Ing.: linden.

Habitat: Difundida, tanto em estado silvestre como cultivada, por zonas montanhosas da Europa continental, Córsega, e região do Cáucaso. Muito cultivada em Portugal. Na América também existem diversas espécies de tílias.

Descrição: Árvore grande, de até 20 m de altura, muito ramificada na copa, da família das Tiliáceas. De folhas caducas, dentadas, com forma de coração e assimétricas na base. As flores são esbranquiçadas ou amareladas e exalam um aroma agradável.

Partes utilizadas: As inflorescências jovens e a casca da árvore.


Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close