Sanícula

Sanícula (Sanicula europaea L.) – Cicatrizante e expectorante

O nome desta planta deriva do latim sanare (curar), e alude às muitas propriedades que se lhe haviam atribuído.

Propriedades e Indicações:

Contém tanino; alantoína, que lhe confere acção anti-inflamatória; saponinas de acção expectorante; e um óleo essencial. É cicatrizante, adstringente, vulnerária e expectorante.

Em uso interno, utiliza-se para acalmar a tosse e amolecer as secreções em caso de catarro brônquico (1), mas as suas aplicações mais importantes são as externas:

Feridas infectadas, chagas e úlceras varicosas: Aplicada em compressas ou em lavagens, a sanícula tem um grande poder de limpeza sobre os tecidos necrosados, estimulando além disso a epitelização (formação de pele nova) (2,4).

Contusões e entorses: As cataplasmas de sanícula aliviam a inflamação e favorecem a reabsorção dos hematomas (derrames de sangue) (3).

Gengivite, aftas, amigdalites e faringites (5), em bochechos com a sua decocção.

Preparação e emprego
Uso interno

1-lnfusão de 30 g de folhas por litro de água, de que se tomam 3 chávenas por dia, adoçadas com mel.

Uso externo

2-Compressas empapadas no líquido duma decocção de 50-60 g de folhas por litro de água, que tenha fervido durante 10 minutos.

3-Cataplasmas de folhas frescas esmagadas sobre a zona lesionada.

4-Lavagens com a mesma decocção que se emprega para as compressas.

5- Bochechos com o líquido da decocção.

Outros nomes: sanícula-vulgar. Esp.: sanícula, sanícula europeia, hierba de San Lourenzo. Fr.: sanicle d’Europe. Ing.: European sanicle.

Habitat: Difundida por bosques de árvores de folha caduca, especialmente de faias e carvalhos, da metade norte da Península Ibérica e da Europa Central e Meridional.

Descrição: Planta vivaz da família das Umbelíferas, que atinge de 20 a 50 cm de altura. As suas folhas são palmadas, têm um longo pecíolo e crescem quase todas na base.

Partes utilizadas: as folhas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé