saiao-curto

Saião-curto (Sempervivum tectorum L.) – Alivia as irritações da pele

O saião-curto forma um espesso torrão de relva à sua volta, pelo que antigamente se usava para cobrir e consolidar os telhados de terra (terraços), assim como para proteger as casas do raio, graças à grossa camada que forma. Dioscórides já o recomendava contra as irritações da pele e as queimaduras.

Propriedades e Indicações:

Contém taninos, a que deve a sua acção adstringente e anti-séptica, reforçada pela presença dos ácidos málico e fórmico; e mucilagens, que o tornam emoliente e vulnerário.

Ainda que antigamente se tenha usado para o tratamento das diarreias e disenterias, o seu uso actual é exclusivamente externo:

Afecções da pele e das mucosas: As irritações da pele, assim como os calos, frieiras, queimaduras, feridas infectadas e hemorróidas, melhoram quando se lhes aplica o saião-curto, quer em cataplasmas quer em compressas, banhos ou lavagens. Isto deve-se à sua acção emoliente (anti-inflamatória) e vulnerária (cicatriza feridas e cura contusões) (1,2,3).

Queimaduras leves: As compressas de saião-curto aliviam o ardor e a irritação próprios da pele queimada. Aplicam-se alternando o seu uso com o de óleo de amêndoas amargas (2).

Preparação e emprego

Uso externo

1-Cataplasmas com as folhas esmagadas. Mantém-se durante 20-30 minutos, e aplica-se de 2 a 4 vezes por dia.

2-Compressas empapadas no sumo fresco. Aplicam-se durante o mesmo tempo e com a mesma frequência que as cataplasmas.

3-Banhos e lavagens: Fazem-se com o sumo fresco das folhas diluído em água, na proporção de 50 ml de sumo por cada litro de água.

Outros nomes: saião, sempre-viva-dos-telhados. Esp.: siempreviva mayor, alcachofa de gatos, pifruela, barba de Júpiter, zurracallote. Fr.: grande joubarbe, joubarbe des toits, artichaut des toits. lng.: houseleek, Jupiter’s beard.

Habitat: Regiões de penhascos, muros velhos e ruínas na Europa Central e Meridional. Cultivada como planta ornamental em pátios e jardins.

Descrição: Planta vivaz da família das Crassuláceas, que atinge até 50 cm de altura. A sua base é constituída por uma roseta de folhas perenes e carnudas. O caule, erecto, termina em duas ou três flores de cor vermelha.

Partes utilizadas: as folhas frescas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close