Manjerona (Origanum majorana L.) – Sedante e digestiva

A manjerona não cresce espontaneamente na Europa Ocidental, e parece que terá sido divulgada pelos Cruzados, na Idade Média.

Pela sua semelhança com o orégão, que existe em estado silvestre na Europa, também se lhe deu, nalguns lugares, o nome de orégão ou orégãos. Os antigos Egípcios já usavam a manjerona como condimento e como remédio. Actualmente continua a ser uma planta muito apreciada em fitoterapia.

Propriedades e Indicações:

 Os princípios activos da manjerona residem na sua essência, rica em substâncias como o terpineol. Esta essência possui as seguintes propriedades:

Antiespasmódica e digestiva: Muito útil contra a flatulência (efeito carminativo), os espasmos nervosos do estômago e as digestões pesadas (1,2).

Sedativa: Recomendada para combater a excitação psíquica, o nervosismo e a insónia. É um bom remédio contra a ansiedade (1,2).

Hipotensora: Diminui o tono do sistema nervoso simpático, responsável pela contracção das artérias e, além disso, também é diurética (1,2).

Expectorante e peitoral (1,2)

Anti-reumática: Aplicada externamente, a essência acalma as dores reumáticas e as contracturas musculares. Em fricções (3), ou na água do banho, tem efeito tonificante (4).

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão: 40-50 g de sumidades por litro de água. Podem-se tomar até 3 chávenas por dia.

2-Essência: A dose habitual é de 4-6 gotas, 3 vezes ao dia.

Uso externo

3-Fricções: Aplicam-se com a essência dissolvida em álcool.

4-Banhos: Acrescentando algumas gotas de essência à água do banho, obtém-se um notável efeito anti-reumático.

Sinonímia científica: Majorana hortensis Moench.

Outros nomes: majarona, orégãos. BrasiIl: manjerona-hortensis, manjerona- inglesa, manjerona-verdadeira, amaracus, flor-de-himeneu, orégão-vulgar. Esp.: mejorana, mejorana dulce, mayorana, orégano [indígena], almoradijo, amáraco, sampsuco, sarilla. Fr.: marjolaine. Ing.: marjoram.

Habitat: Oriunda do Próximo Oriente, o seu cultivo estendeu-se a todos os países mediterrâneos e do Norte de África. Também se cultiva em alguns países americanos. Muito cultivada nas hortas e jardins de Portugal.

Descrição: Planta vivaz, da família das Labiadas, que atinge de 15 a 40 cm de altura. As suas flores são brancas ou cor-de-rosa, e crescem agrupadas na extremidade dos caules. O seu aroma pode dizer-se que é uma mistura dos aromas do tomilho e da hortelã.

Partes utilizadas: as sumidades floridas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close