Loureiro (Laurus nobilis L.) – Facilita a digestão e alivia a dor reumática

Corre! Traz-me uma coroa de louros! -ordena Tibério César ao seu servo.

-Sim, meu senhor. Trago-a imediatamente- responde submisso.

-Não vês que se aproxima uma tempestade? Preciso da protecção do loureiro -diz o imperador romano com certa ansiedade.

Antes de terem começado a soar os trovões, Tibério César já havia posto na cabeça uns ramos de loureiro entrelaçados. É que, segundo uma tradição romana, o loureiro nunca pode ser sacudido pelos raios e, portanto, quem se colocar debaixo das suas folhas encontra-se a salvo dos flagelos da natureza.

O loureiro era consagrado ao deus Apolo, patrono dos triunfos, das belas artes e da medicina, e arquétipo da beleza masculina. Os imperadores romanos, os atletas e os guerreiros vencedores eram coroados com uma coroa de louros, que se supunha protegê-los dos raios e de outras forças malignas. Não parece que tal coroa tenha servido de muito aos “laureados” romanos, que poucos séculos depois vieram a sucumbir às mãos dos bárbaros, outro flagelo semelhante ao do raio.

Adverso às superstições relacionadas com as plantas, o famoso médico espanhol Andrés de Laguna conta que, estando ele mesmo em Roma pelo ano 1539, “caiu um impetuoso raio no palácio do duque de Castro, e atingiu um formosíssimo loureiro que ainda hoje se vê ferido e despedaçado”. E conclui dizendo: “Não há casa tão forte, nem se encontra coisa tão eficaz, que chegue para nos defender dos juízos de Deus”.


Propriedades e Indicações:

As folhas do loureiro são ricas num óleo essencial volátil, composto em 45% por cineol; contém também tanino e um princípio amargo. Os frutos contêm ainda25% de matérias gordas formadas pelos ácidos láurico, oleico, palmítico e linoleico. O princípio activo responsável dos efeitos medicinais do loureiro é o seu óleo essencial. Vejamos as propriedades do loureiro:

-Aperitivo, eupéptico (facilita a digestão) e carminativo (elimina os gases do tubo digestivo). É portanto útil aos inapetentes (que têm fastio) e aos que sofram de digestões difíceis ou pesadas (1).

-Suavemente diurético (1).

-Emenagogo (estimula a menstruação) e regulador do ciclo menstrual (1).

-Anti-reumático e anti-inflamatório muito eficaz, aplicado externamente. O óleo de loureiro (2) ou o bálsamo (3) anti-reumático que se prepara com as suas folhas, utilizam-se em fricções para aliviar os torcicolos, lombalgias ciáticas, entorses dos tornozelos e outras dores osteomusculares (de ossos e músculos).


Preparação e Emprego

Uso interno

1-Infusão: Com um litro de água, prepara-se uma infusão com 20-30 g de folhas de louro, a que se pode acrescentar um punhado de frutos maduros para conseguir maior efeito. Como aperitivo toma-se uma chávena dez minutos antes de cada refeição, e, como digestivo, uma chávena depois de cada refeição.

 

Uso externo

2- Óleo de loureiro: Prepara-se deixando macerar durante 10 dias, ao sol, 30 g de folhas de louro num litro de azeite de oliveira. Aplica-se em loção sobre a parte dorida. Também serve para afugentar insectos parasitas.

3-Bálsamo anti-reumático (manteiga de loureiro): Esmagar num almofariz um bom punhado de bagas de loureiro maduras. Pô-las a ferver, cobertas de água, durante 5-10 minutos. Espremê-las depois com um pano fino, deixar arrefecer o líquido e recolher a camada de gordura que flutua. Esta gordura ou manteiga de loureiro aplica-se em fricções sobre a zona afectada. Não é própria para ser ingerida.


Outros nomes: loureiro-comum, loureiro-de-apolo, loureiro-dos- poetas, loureiro-vulgar, louro, sempre-verde. Esp.: laurel, laurel común, laurel de condimento, laurel noble, laurel real, loreda, loreto, loro. Fr.: laurier. Ing.: laurel.

Habitat: Originário dos países mediterrâneos. Cria-se em algumas regiões próximas do litoral, de clima temperado. Cultivado e naturalizado no continente americano.

Descrição: Árvore de folha perene, da família das Lauráceas, que pode medir de 2 a 8 m de altura. As folhas são lanceoladas, coriáceas, brilhantes pela face superior e baças pela inferior. As flores são pequenas, de cor branca ou amarelada. Os frutos são drupas semelhantes às azeitonas, produzidas unicamente pelos loureiros fêmeas.

Partes utilizadas: As folhas e os frutos.


Louro-cerejo

O louro-cerejo ou loureiro-cerejeira (Prunus laurocerasus L.), também

chamado loureiro-real e loureiro-inglês*, é uma árvore da família das Rosáceas, que produz umas bagas negras semelhantes às cerejas. As suas folhas que cheiram como as amêndoas amargas, contêm glicósidos cianogenéticos que libertam ácido cianídrico, substância esta muito tóxica. No entanto, por destilação dessas folhas, obtém-se a água de louro-cerejo, que tem propriedades medicinais e se emprega como antiemético (contra os vómitos), sedativo e antiespasmódico.

*Esp.: laurel cerezo. Fr.: laurier-cerise. Ing.: cherry laurel.


Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger