labaça

Labaça (Rumex patientia L.) – Laxante e depurativa

Esta planta pertence ao mesmo género botânico da labaça-crespa (Rumex crispus L.), de propriedades muito semelhantes, e das azedas (Rumex acetosa L.), de que se diferencia por não ter um gosto ácido, mas sim amargo.

Todas elas se usaram como verdura na Idade Média e em épocas de escassez de alimentos.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta contém em abundância ferro e fósforo, taninos, e glicósidos activos sobre os aparelhos digestivo e renal. A sua raiz foi usada como laxante seguro, embora actue tão lentamente que é necessário esperar várias semanas para se notar o efeito. Daí o nome de paciência. É antianémica (pelo seu conteúdo em ferro), depurativa e algo diurética.

O seu uso é indicado nos casos de prisão de ventre rebelde, nas curas depurativas de Primavera, nos eczemas, na atonia do aparelho digestivo e nas anemias por falta de ferro (1,2,3).

Aplicadas externamente, as folhas e a raiz da labaça esmagadas têm efeito cicatrizante sobre úlceras e chagas da pele (4).

Preparação e emprego

Uso interno

1-As folhas comem-se como verdura.

2-Infusão com 30 g de folhas e/ou raiz seca triturada por litro de água, de que se tomam 2 ou 3 chávenas diárias.

3- Sumo fresco das folhas: um copo por dia.

Uso externo

4-Cataplasmas de folhas e raiz esmagadas, que se aplicam sobre úlcera e chagas.

Outros nomes : paciência-dos-jardins. Esp.: romaza, romaza-común, [romaza] paciencia, acedera vejigosa, espinaca sin aroma. Fr.: patience [commune]. Ing.: sorrel, patience dock, spinach dock.

Habitat: Bermas dos caminhos e terrenos sombrios de regiões da Europa Central e Meridional. Encontra-se em quase todo o território continental português, sendo muito frequente nas searas. Naturalizada no continente americano.

Descrição: Planta vivaz da família das Poligonáceas, que atinge 0,5-1 m de altura. O caule e as grandes folhas têm as nervuras avermelhadas. Tem cheiro acre e sabor amargo.

Partes utilizadas: as folhas e a raiz seca.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close