cuscuta

Cuscuta (Cuscuta epithymum Mur)-  Digestiva e cicatrizante

Esta planta é um autêntico vampiro vegetal. Com os seus finos caules adere à sua vítima, de que chupa literalmente a seiva até secá-la e matá-la. Ataca de preferência o tomilho, a alfazema, a segurelha, o alecrim, a urtiga, o trevo e o lúpulo.

Antigamente, pensava-se que a cuscuta adquiria as propriedades da planta a que parasitava, o que hoje não pôde ser demonstrado. Hoje, no entanto, sabemos que a cuscuta tem as suas próprias virtudes medicinais.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta contém um glicósido amorfo (cuscutina), resina, tanino e goma. Por via interna, é laxante e diurética.

Ao mesmo tempo, favorece o esvaziamento da vesícula biliar (ação colagoga) e estimula os processos digestivos. É recomendada aos que sofrem de cálculos biliares ou de transtornos da vesícula biliar (1).

Aplicada externamente em forma de cataplasma, é cicatrizante e antisséptica. Dá bons resultados em casos de úlceras varicosas e de feridas infectadas ou de cicatrização lenta (2).

Preparação e Emprego

Uso interno

1-Infusão de 30g de planta por litro de água. Tomar duas chávenas por dia.

Uso externo

2-Cataplasmas: Fervem-se, durante meia hora, de 60 a 100g de planta por litro de água. Triturar até conseguir uma massa pastosa, que se aplica sobre a zona da pele afetada.

Outros nomes: linho-de-cuco, linho-de-raposa, cabelos, cabelos-de-nossa-senhora, enleios, abraços. Madeira: linheio. Brasil: cipó-chumbo. Esp.: cuscuta, epítimo, cabellos [de tomillo], barbas de capuchino. Fr.: cuscute. Ing.: [common] dodder, great dodder.

Habitat: Comum nos montes de toda a Europa. Também se encontra em regiões montanhosas e temperadas ou frias do continente americano.

Descrição: Planta parasita da família das Cuscutáceas, de caule avermelhado e flores esbranquiçadas ou rosadas. Não tem folhas e portanto também não tem clorofila. Forma um emaranhado de finos caules em volta das plantas que parasita.

Partes utilizadas: toda a planta.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close