Cardo-penteador

Cardo-penteador (Dipsacus sativus (L.) Scholler.) – Depura o sangue e limpa a pele

Durante muitos séculos, a humanidade serviu-se dos espinhos deste cardo para cardar a lã. É daí que vem o seu nome. Embora actualmente esta tarefa se execute por meios mecânicos, o cardo-penteador continua a oferecer-nos os seus bons serviços como planta medicinal.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta, e especialmente a raiz, contém um glicósido chamado escabiósido, ácido salicílico e sais de potássio. Isto explica as suas propriedades medicinais: diurética (aumenta a produção de urina) e sudorífica (aumenta a sudação).

A raiz do cardo-penteador é um bom depurativo do sangue. Os seus efeitos são moderados mas persistentes, e pode tomar-se em qualquer quantidade, pois é muito bem tolerado pelo organismo. Torna-se especialmente útil nos seguintes casos:

Excesso de líquidos nos tecidos: edemas ou hidropisia de qualquer causa (1).

-Excesso de ácido úrico (artritismo): Favorece a eliminação do ácido úrico e de outras substâncias residuais que circulam pelo sangue (1).

Acne, eczemas e erupções: Aumenta a produção de suor, e com ele a eliminação de substâncias que irritam a pele. (1)

Preparação e Emprego

Uso interno

1-Decocção com 40-50 g de raiz triturada em dois litros de água. Ferver até que o líquido fique reduzido a metade. Filtrar e adoçar com mel. Bebem-se várias chávenas por dia. O tratamento deve durar meses.

Sinonímia científica: Dipsacus fullonum L. Outros nomes: cardo-cardador. Esp.: cardencha, carda, dipsaco, cardo de cardar, escobilla. Fr.: cardège sauvage. Ing.: [wild] teasel.

Habitat: Encontra-se vulgarmente nos solos frescos e argilosos da Europa Central e Meridional. Cresce também em grande parte do continente americano.

Descrição: Planta da família das Dipsacáceas, que atinge até dois metros de altura. O caule tem numerosos espinhos. Os capítulos florais, formados pela união de muitas flores pequeninas, são de cor lilás ou rosa; terminam em grandes aguilhões de 6 a 10 cm de comprimento.

Partes utilizadas: a raiz.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close