antenaria

Antenária (Antennaria dioica Gaertn.) – Peitoral e colagoga

Também conhecida como “pé-de-gato”, toda esta planta evoca a suavidade desse animal. As suas flores fazem lembrar a almofadinha que encobre as garras do dito felino.

É usada desde o século XVIII. Durante algum tempo, atribuíram-se-lhe propriedades anticancerosas e curativas da tuberculose, que não puderam ser demonstradas.

Propriedades e Indicações:

 Toda a planta, mas especialmente os capítulos florais fêmeas, contém mucilagem, a que se deve a sua acção béquica (alivia a irritação da garganta), expectorante e anti-inflamatória sobre as vias respiratórias.  Na sua composição também encontramos flavonóides, a que se atribuem as suas propriedades colagogas (facilita o esvaziamento da vesícula biliar).

A sua principal aplicação são as afecções respiratórias (1,2): faringite e laringite (alivia a ardência e irritação da garganta), tosse seca e catarros brônquicos (abranda a mucosidade e facilita a expectoração). O ideal é combinar o uso interno (infusões) com o externo (gargarejos). Também se pode usar nas disquinesias biliares (vesícula preguiçosa ou atónica) (1), em combinação com outras plantas activas sobre as vias biliares.

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão com 30-40 g de capítulos florais fêmeas, secos, por litro de água, da qual se tomam 3 ou 4 chávenas diárias, adoçadas com mel.

Uso externo

2- Gargarejos de 5 a 10 minutos, 3 vezes por dia, com a mesma infusão que se usa internamente, procurando não engolir o líquido.

Sinonímia científica: Gnaphalium dioicum L.

Outros nomes: pé-de-gato, gnafálio. Esp.: pie de gato, pata de gato, [hierba] sanguinaria, nafalio, antenaria dioica. Fr.: pied de chat, gnaphale. lng.: cat’s foot, mountain everlasting.

Habitat: Difundida pelos prados de montanha de toda a Europa. Também se encontra na costa ocidental da América do Norte.

Descrição: Planta vivaz dióica, da família das Compostas, que mede de 5 a 20 cm de altura. As folhas são pubescentes e brancas na página inferior, e formam uma roseta basal. Os capítulos florais das plantas masculinas são brancos, e os das femininas, rosados.

Partes utilizadas: os capítulos florais fêmeas (rosados) secos.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close