antenaria

Antenária (Antennaria dioica Gaertn.) – Peitoral e colagoga

Também conhecida como “pé-de-gato”, toda esta planta evoca a suavidade desse animal. As suas flores fazem lembrar a almofadinha que encobre as garras do dito felino.

É usada desde o século XVIII. Durante algum tempo, atribuíram-se-lhe propriedades anticancerosas e curativas da tuberculose, que não puderam ser demonstradas.

Propriedades e Indicações:

 Toda a planta, mas especialmente os capítulos florais fêmeas, contém mucilagem, a que se deve a sua acção béquica (alivia a irritação da garganta), expectorante e anti-inflamatória sobre as vias respiratórias.  Na sua composição também encontramos flavonóides, a que se atribuem as suas propriedades colagogas (facilita o esvaziamento da vesícula biliar).

A sua principal aplicação são as afecções respiratórias (1,2): faringite e laringite (alivia a ardência e irritação da garganta), tosse seca e catarros brônquicos (abranda a mucosidade e facilita a expectoração). O ideal é combinar o uso interno (infusões) com o externo (gargarejos). Também se pode usar nas disquinesias biliares (vesícula preguiçosa ou atónica) (1), em combinação com outras plantas activas sobre as vias biliares.

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão com 30-40 g de capítulos florais fêmeas, secos, por litro de água, da qual se tomam 3 ou 4 chávenas diárias, adoçadas com mel.

Uso externo

2- Gargarejos de 5 a 10 minutos, 3 vezes por dia, com a mesma infusão que se usa internamente, procurando não engolir o líquido.

Sinonímia científica: Gnaphalium dioicum L.

Outros nomes: pé-de-gato, gnafálio. Esp.: pie de gato, pata de gato, [hierba] sanguinaria, nafalio, antenaria dioica. Fr.: pied de chat, gnaphale. lng.: cat’s foot, mountain everlasting.

Habitat: Difundida pelos prados de montanha de toda a Europa. Também se encontra na costa ocidental da América do Norte.

Descrição: Planta vivaz dióica, da família das Compostas, que mede de 5 a 20 cm de altura. As folhas são pubescentes e brancas na página inferior, e formam uma roseta basal. Os capítulos florais das plantas masculinas são brancos, e os das femininas, rosados.

Partes utilizadas: os capítulos florais fêmeas (rosados) secos.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pode também gostar de:

Holler Box

Pin It on Pinterest