Aloés (Aloe Vera L. Webb) – Suaviza a pele, cicatriza as feridas, e tonifica

Seria bom que pudesses conquistar a ilha de Socotra, lá no oceano Indico – diz Aristóteles ao seu discípulo, o grande imperador e conquistador Alexandre, o Grande.

– Ali abundam as palmeiras tamareiras, o incenso e, sobretudo, o aloés, que nessa afortunada ilha cresce por toda a parte.

– Aprecio as tâmaras e o incenso; mas diz-me, mestre Aristóteles: para que queres as plantas do aloés?

– Majestade, nós, os botânicos, médicos e sábios desta nobre cidade de Atenas, chegámos à conclusão de que não existe melhor cicatrizante do que o gel de aloés. Os soldados dos nossos exércitos, que caiam feridos em combate, encontrarão no aloés o melhor dos seus remédios.

– Isso interessa-me muito, Aristóteles. Quero que os meus soldados disponham dos melhores tratamentos. Mas, diz-me: como tendes chegado à conclusão de que o aloés é tão bom cicatrizante?

– Pois é muito simples, Majestade. Observámos que, quando se corta uma das suculentas folhas do aloés, se produz uma rápida cicatrização da sua própria superfície, cuja finalidade é evitar que se perca o precioso suco que contêm. A lógica natural diz-nos que, se a planta é capaz de regenerar eficazmente a superfície danificada das suas próprias folhas, também actuará cicatrizando as feridas dos seres humanos que estejam em contacto com elas.

Sabemos hoje que o aloés pertence ao grupo das plantas xerófilas, caracterizadas por fecharem os estomas das suas folhas logo que se produza qualquer corte ou ferida nelas. Deste modo evitam a perda de água. É verdade que o aloés foi aplicado para sarar as feridas de muitos ao longo da história. Soldados gregos, gladiadores romanos e guerreiros de diversos impérios foram tratados com aloés. Houve também um soldado muito especial, que cerca de quatro séculos depois de Aristóteles e de Alexandre, o Grande, morreu em pleno campo de batalha. Como se fez com outros, também a ele se aplicou aloés sobre o seu corpo ferido e magoado, ainda que já depois de morto. Referimo-nos a Jesus Cristo, o libertador e salvador da humanidade, um lutador infatigável contra o mal, de quem se disse que «pelas suas feridas fomos sarados” (I S. Pedro 2:24). O corpo de Jesus foi tratado com aloés e mirra, segundo relata o capítulo 19 do Evangelho segundo S. João. Três dias depois, ressuscitou vitorioso da morte.

Propriedades e Indicações:

Das suculentas folhas do aloés obtêm-se dois produtos principais: o azebre (espanhol: acíbar) e o gel de aloés.

O azebre: Incisando a superfície das folhas das diversas espécies de aloés, obtém-se um suco viscoso de cor amarela e sabor amargo, que se concentra ao calor do sol, ou por ebulição. Transforma-se assim numa massa amorfa de cor escura e sabor muito amargo, que é o azebre. O azebre contém de 40% a 80% de resina, e até 20% de aloína, glicósico antraquinónico que é o seu princípio activo.

Segundo a dose diária com que se empregue, o azebre tem diferentes aplicações

-até 0,1 g é aperitivo, estomacal e colagogo, facilitando a digestão;

– a partir de 0,1 g actua como laxante e como emenagogo (aumenta o fluxo menstrual);

– doses de 0,5 g (máximo diário), actua como purgante enérgico e também ocitócico (provoca contracções uterinas).

O gel ou sumo de aloés: Obtém-se da polpa das suas folhas carnudas, que deitam um sumo pegajoso, quase transparente e de sabor insípido. A ele se deve afama que o gel de aloés tem adquirido nos últimos anos, especialmente pela sua acção curativa sobre a pele. É formado por uma mistura complexa de mais de 20 substâncias, como polissacáridos, glicósidos, enzimas e minerais. Contém acemanan, uma substância imunoestimulante (que aumenta as defesas). Ao contrário do azebre, o gel de aloés não tem propriedades laxantes.

Aplicado localmente, são muitas as afecções sobre as quais o aloés pode exercer efeitos benéficos. As mais importantes são as seguintes:

Feridas, quer sejam limpas quer infectadas. O sumo de aloés aplica-se em compressas (3), embora também se possa colocar directamente a polpa da folha sobre a ferida. Facilita a limpeza da ferida e acelera a sua cicatrização, reduzindo, além disso, a cicatriz.

Queimaduras: O gel ou sumo de aloés aplica-se em compressas durante os dias seguintes à queimadura (3). Em queimaduras de primeiro grau, bastam dois ou três dias de aplicação. Em casos mais graves, convém consultar o especialista. O aloés consegue acelerar a regeneração da pele danificada e reduzir ao mínimo a cicatriz. Têm-se obtido bons resultados nas queimaduras cutâneas causadas por radiações ionizantes, assim como na radiodermite (afecção da pele causada pelas radiações). Diz-se que, na Segunda Guerra Mundial, alguns habitantes de Hiroshima e Nagasaki que sobreviveram às explosões atómicas curaram as queimaduras produzidas pela radiação, aplicando a si mesmos polpa de folhas de aloés directamente sobre as zonas queimadas.

Afecções da pele: O sumo de aloés aplicado em loção tem uma acção favorável em casos de psoríase e eczemas da pele, assim como na acne, pé de atleta (infecção por fungos) e herpes, entre outras (4). Para reforçar o efeito, recomenda-se tomá-lo também por via oral (2). Nas crianças, a loção de sumo de aloés emprega-se no tratamento do eczema causado pelas fraldas, e para aliviar a comichão e facilitar a cicatrização da pele nas doenças exantemáticas como o sarampo, a rubéola e a varicela (4,5).

Beleza da pele: O aloés revitaliza a pele, conferindo-lhe uma maior pureza, resistência e beleza. Aplicado sobre a pele, melhora o aspecto das cicatrizes inestéticas e das estrias. Também se emprega no cuidado do cabelo e das unhas (4,5).

Ingerido por via oral, o sumo de aloés é depurativo e tonificante. Emprega-se como digestivo e também no tratamento da úlcera gastroduodenal (2). Verificou-se experimentalmente que o acemanan contido no sumo de aloés tem a faculdade de estimular as defesas do organismo (2). O seu uso por via interna activa os linfócitos, células que, entre outras funções, têm a de destruir as células cancerosas, assim como aquelas que tenham sido infectadas pelo vírus da sida. Por isso está a ser investigado o seu emprego nestas duas pragas do nosso tempo, sem que, até ao momento, se tenham podido obter resultados concludentes.

 

Precauções

O gel ou sumo de aloés pode provocar reacções alérgicas quando se aplica sobre a pele. Uma de cada 200 pessoas, aproximadamente, é alérgica ao aloés. Se, poucos minutos depois de espalhar umas gotas de sumo de aloés sobre a pele das costas, aparecer um ligeiro rubor e comichão, é sinal de alergia ao aloés: ter-se-á de recorrer a outro remédio. O azebre não deve ser utilizado como purgante pelas mulheres durante a menstruação, nem pelas grávidas, pois provoca congestão dos órgãos pélvicos e contracções uterinas. Também não é recomendável para quem sofra de hemorróidas (pode fazê-las sangrar). Não se deve administrar às crianças. Não exceder a dose de 0,5 g por dia.

 

Preparação e emprego

Uso interno

1- Azebre: Utiliza-se em forma de cápsulas preparadas farmaceuticamente. Como laxante ou purgante, o azebre de aloés actua lentamente, pelo que se administra à noite para obter o efeito no dia seguinte.

2-Gel ou sumo de aloés: Tomam-se 1 ou 2 colheradas, 3 ou 4 vezes ao dia, dissolvidas em água, sumo de frutas ou leite. Normalmente, toma-se com as refeições. Em caso de úlcera gastroduodenal, recomenda-se tomá-lo meia hora antes de cada refeição, e antes de se deitar para dormir.

Uso externo

3- Compressas com sumo de aloés: Devem-se manter durante todo o dia, humedecendo-as com sumo cada vez que sequem. À noite, pode-se aplicar um creme hidratante ou simplesmente azeite, pois o sumo de aloés resseca a pele.

4-Loção com sumo de aloés: Aplica-se 2 ou 3 vezes por dia sobre a pele afectada. Convém combinar o seu uso com o de algum emoliente (suavizante), como por exemplo o azeite.

6- Cremes, unguentos e outros preparados farmacêuticos à base de aloés. Normalmente incluem uma substância emoliente ou hidratante.

Sinonímia científica: Aloe barbadensis Miller

Espécies afins: Existem mais de 200 espécies de aloés. Juntamente com o Aloe vera, o mais utilizado é o Aloe ferox Miller. Outros nomes: erva-babosa, azebre. Esp.: aloe, savila, zábila, pita zábila. Fr.: aloés. Ing.: aloe.

Habitat: Originário do Sul de África, mas expandido petas regiões quentes e desérticas da América (Antilhas e América Central) e Asia. Em Portugal foram introduzidas cerca de 50 espécies, algumas das quais bem representadas nos arredores de Lisboa, principalmente na margem direita do Tejo. Descrição: Planta da família das Liliáceas, que pode chegar a atingir três ou quatro metros de altura, pelo crescimento do seu eixo ou tronco central. As folhas são carnudas, de forma lanceolada, e com os bordos espinhosos. As flores, de cor amarela ou vermelha, segundo a variedade, pendem todas de um longo caule.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close