Aljôfar (Lithospermum officinale L.) – Utilizado para desfazer os cálculos renais

Os partidários da teoria dos sinais, que explica as propriedades das plantas baseando-se no seu aspecto, atribuíram às nacaradas sementes desta planta, desde o tempo de Dioscórides, a propriedade de dissolver os cálculos urinários.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta é rica em cálcio, além de mucilagens e pigmentos. Desde a antiguidade tem sido usada para dissolver os cálculos urinários. É um potente diurético uricosúrico (facilita a eliminação de ácido úrico). Dissolve as areias da urina e pode chegar a dissolver um cálculo renal, especialmente se for composto por uratos (1). Muito recomendada em caso de cólica renal e de gota.

Também tem propriedades digestivas. Pelo seu sabor amargo, é um tónico de todos os órgãos digestivos: abre o apetite e facilita a digestão (1).

Preparação e emprego

Uso interno

1-lnfusão com 50-100 g por litro de água, da qual se tomam 3 ou 4 chávenas diárias. Antigamente ingeriam-se as sementes trituradas.

Sinonímia científica: Lithospermum erythorryzon Sieb.-Zucc., Lithospermum officinale Forbes-Hemsl.

Outros nomes: Esp.: mijo de sol, litospermo oficinal, hijo del sol, granos de amor, aljófar, caframones de monte, perlina, quebrantahoces, té de Benasque. Fr.: herbe aux perles, grémil [officinal], millet de soleil, thé de montagne. Ing. : [common] gromwell.

Habitat: Frequente em terrenos calcários de toda a Europa. Em Portugal surge espontâneo nos arredores de Bragança e Vimioso. Pouco conhecido na América.

Descrição: Planta vivaz da família das Borragináceas, que atinge de 40 a 80 cm de altura. As folhas são um tanto vilosas, com as nervuras salientes pela face inferior. As sementes são arredondadas, muito duras, e com aspecto de porcelana.

Partes utilizadas: as sementes e as folhas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé