Alecrim (Rosmarinus officinalis L.) – Revitaliza, tonifica, rejuvenesce… e desinflama

O alecrim é uma das plantas aromáticas mais difundidas, mas nem por isso menos eficaz. É difícil sairmos um dia para o campo no Centro e Sul de Portugal sem encontrar este nobre arbusto. No Inverno alegra-nos com o verdor da sua folha perene, e na Primavera ou no Verão, com a frescura do seu perfume.

Talvez vejamos até alguma abelha abastecendo-se nas suas florezinhas para produzir depois esse excelente manjar que é o mel de alecrim.

O alecrim é conhecido desde tempos muito remotos. Diz-se que os faraós egípcios mandavam pôr sobre a sua tumba um raminho de alecrim para lhes perfumar a viagem até ao país dos mortos. No século XIV, a rainha Isabel da Hungria, martirizada pelo reumatismo recuperou a juventude graças a esta planta. De tal maneira que, quando já tinha 72 anos, foi pedida em casamento pelo rei da Polónia. Fala-se, desde essa altura, da “água da rainha da Hungria” como designação de uma das formas de aplicar esta planta. Uma outra reumática famosa, Madame de Sévigné, chegou a escrever que estava encantada com o alecrim, que para ela era “o alívio de todos os sofrimentos”.


Propriedades e Indicações:

Contém uma essência com derivados terpénicos, à qual deve a maior parte das suas virtudes medicinais, ácidos fenólicos de acção diurética, e flavonóides com efeitos antiespasmódicos. Tem as seguintes propriedades:

-Tonificante: É a sua acção mais importante. Os convalescentes, esgotados, depressivos, e inclusivamente os idosos, encontrarão nas suas infusões um estupendo tónico que lhes devolverá a vitalidade perdida, como fez à rainha da Hungria (1,2).

Os banhos com ou infusão ou decocção (3), e as fricções com álcool (5) ou com essência (6) de alecrim, têm um interessante efeito estimulante em caso de hipotensão ou de esgotamento físico.

Diurético e antiespasmódico: Muito indicado para as cólicas renais quando se trate de expulsar os cálculos (1,2).

Digestivo: As suas propriedades colagogas (estimulantes da secreção biliar), de protector e regenerador hepático, e carminativas (eliminadoras dos gases intestinais), fazem que, tomado depois das refeições, facilite notavelmente a digestão (1,2).

Todavia, talvez sejam as aplicações externas aquelas que mais se conhecem, devido à sua grande eficácia:

Vulnerário e anti-reumático: Tem uma acentuada acção anti-inflamatória, que o torna ideal para friccionar em entorses, edemas, assim como dores musculares e reumáticas. Aplica-se em fricções (5,6) (com álcool de alecrim ou com a sua essência), fomentações ou compressas quentes (7). Estas últimas são muito eficazes para relaxar a musculatura das costas e acalmar as dores da região cervical, dorsal ou lombar.

Cicatrizante e anti-séptico: Estimula a cicatrização das feridas, úlceras da pele e eczemas (3). Aplicado em forma de gargarejos (4), cura as aftas.


Preparação e emprego

Uso Interno

1-Infusão e decocção: 20-40 g de folhas de alecrim por litro de água. Podem tomar-se duas ou três chávenas por dia.

2-Essência: A dose normal é de 3-4 gotas, 3 vezes ao dia.

Uso externo

3-Banhos e lavagens com uma infusão concentrada: 80-100 g por litro de água. Deixar repousar durante 20 minutos e filtrar. Pode-se aplicar directamente esta decocção sobre a zona inflamada, ou então acrescentá-la à água da banheira para tomar um banho tonificante.

4-Gargarejos com a infusão concentrada.

5-Fricções com álcool de alecrim: Ver a sua preparação no quadro seguinte.

6-Fricções com essência diluída em álcool ou azeite, à razão de 2-5 ml por cada 100 ml.

7-Fomentações e compressas quentes com a infusão concentrada, ou com água quente a que se acrescentam 15-20 gotas de essência por litro de água.


Álcool de alecrim

Para preparar este álcool, esmaga-se num almofariz um punhado de folhas verdes de alecrim. Depois de esmagadas, colocam-se num recipiente com tampa hermética, que contenha 100-150 ml de álcool etílico. Deixar repousar durante três dias e depois filtrar.

Aplica-se em fricções, sobre a zona dorida, com um pano de algodão


Água da rainha da Hungria

A chamada água da rainha da Hungria prepara-se com três partes de folhas de alecrim e uma de folhas de alfazema (Lavandula angustifolia Miller), num total de 60-70 g.

A maneira de a obter é a mesma que para o álcool de alecrim. Esmagam- se as folhas de alecrim e de alfazema colocadas sobre um pano de algodão, e colocam-se num recipiente com tampa hermética com 100-150 ml de álcool etílico. Deixam-se repousar durante 3 dias e depois filtra-se.

A água da rainha da Hungria torna-se muito eficaz para fricções e massagens em casos de inflamações articulares.


Outros nomes : alecrinzeiro. Esp.: romero, romero común, romeo,aroma de mar, rosmarino. Fr.: romarin. Ing.: rosemary.

Habitat: Próprio das regiões secas e quentes do Sul da Europa. Prefere as terras calcárias e costuma acompanhar as azinheiras e matagais.

Descrição: Arbusto lenhoso de até um metro de altura, da família das Labiadas. As folhas estreitas e alongadas são de cor verde-escura pela face superior e cobertas de uma penugem prateada pela face inferior. As flores são pequenas e de cor azul ou violeta-claro. Toda a planta exala um agradável aroma canforado.

Partes utilizadas: as sumidades floridas.


Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close