agripalma

Agripalma (Leonurus cardiaca L.) –  Acalma as palpitações

A agripalma cultivava-se nas hortas dos mosteiros desde o século XV e era muito apreciada em toda a Europa, ao ponto de ser considerada capaz de aliviar todos os males. Daí resulta que, mais tarde, tenha caído em descrédito. Actualmente, ainda que ocupe um lugar modesto na fitoterapia, continua a ser uma planta útil.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta contém um óleo essencial, um princípio amargo (a leonurina), um alcalóide (leonurinina), glicósidos e taninos. Possui as seguintes propriedades:

Cardiotónica e sedativa (1,2): Tonifica o músculo cardíaco. Acalma a taquicardia de origem nervosa e as palpitações. Recomenda-se aos hipertensos e aos que sofrem de angina de peito.

Emenagoga (1,2): O alcalóide que contém estimula as contracções uterinas e favorece o fluxo menstrual. Usa-se nas dismenorreias (transtornos da menstruação).

Adstringente (1,2): pelo seu conteúdo em tanino, e carminativa (elimina os gases e flatulências intestinais).

Cicatrizante (3): A infusão da agripalma utiliza-se para limpar e curar as feridas.

Preparação e emprego
Uso interno

1-Infusão com 30-50 g de sumidades floridas e folhas por litro de água, da qual se ingerem 3 ou 4 chávenas diárias.

2-Extracto fluido: 10 gotas, três vezes ao dia.

Uso externo

3-Lavagem das feridas com a mesma infusão que se usa internamente.

Precauções

Não excederas doses indicadas, pois a sua acção sobre o coração poderia tornar-se demasiado intensa, devido aos glicósidos cardiotónicos que esta planta possui.

Outros nomes: cardíaca. Brasil: chá-de-frade, erva-macaé. Esp.: agripalma, cardíaca, cola de león, mano de Santa María. Fr.: agripaume, cardiaque. Ing.: [common] motherwort.

Habitat: Pouco frequente na Europa e na América do Norte. Em Espanha só se encontra nos Pirenéus. Rara em Portugal.

Descrição: Planta vivaz de 60 a 120 cm de altura, da família das Labiadas. As suas folhas são grandes, pecioladas e palmadas, e as flores de cor rosa ou púrpura.

Partes utilizadas: as sumidades floridas e as folhas frescas.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close