agrimonia

Agrimónia (Agrimonia eupatoria L.) – Aclara a voz e suaviza a garganta

A agrimónia pertence à família das Rosáceas, constituída por mais de duas mil espécies, entre as quais se encontram seguramente as plantas de maior beleza.

No entanto, ao contrário de outras Rosáceas, a agrimónia é uma planta de aspecto bastante modesto, que não atrai particularmente a atenção. Claro que, como acontece com muitas outras coisas, a beleza e a eficácia nem sempre se conjugam. A agrimónia é conhecida e utilizada desde a antiguidade clássica.

Mitrídates Eupator, médico e rei do Ponto (132-63 a.C.), utilizou-a amplamente e deu-lhe o seu apelido: eupatória. Dioscórides e outros médicos e botânicos gregos, aplicavam-na em compressas sobre as feridas de guerra. Avicena, o famoso médico árabe medieval, também a recomendava.

Propriedades e Indicações:

A planta contém flavonóides, óleos essenciais, e sobretudo taninos, a que se deve a maior parte dos seus efeitos medicinais. Os taninos actuam como adstringentes sobre a pele e as mucosas, formando sobre elas uma camada de proteínas coaguladas que impede a actuação dos micróbios. É neste processo que se baseia precisamente o curtimento das peles.

A agrimónia em infusão exerce um interessante efeito antidiarreico. Também é vermífuga (expulsa os vermes intestinais) e ligeiramente diurética (1).

Acontece, porém, que a maior utilidade terapêutica desta planta é em aplicação externa.

Pelo seu efeito adstringente e anti-inflamatório sobre as mucosas, torna-se de grande utilidade nos seguintes transtornos:

Úlceras da boca (2) (aftas), aplicada em forma de bochechos.

Afecções da garganta (2): faringites agudas e crónicas, amigdalites e laringites (afonia). Os gargarejos dão nalguns casos resultados espectaculares, fazendo desaparecer em poucos dias a inflamação e irritação das mucosas da garganta.

Os cantores, locutores e conferencistas podem beneficiar muito com esta planta medicinal, que aclara a voz e suaviza a garganta.

-Como cicatrizante (3) em feridas renitentes ou que não cicatrizam, chagas, úlceras varicosas das pernas. Aplica- se colocando sobre a zona afectada compressas empapadas numa decocção de agrimónia. As feridas secam, facilitando assim a sua cicatrização.

Preparação e emprego

Uso interno

1-lnfusão ou decocção com 20 ou 30 g de flores e folhas por litro de água. Podem-se tomar 3 ou 4 chávenas por dia, adoçadas com mel no caso de se desejar.

Uso externo

2- Bochechos e gargarejos com uma decocção concentrada (100 g por litro). Deixa-se ferver até reduzir a um terço o volume da água. Pode-se acrescentar salva e tília. Adoçar com 50 g de mel.

3-Compressas para aplicar sobre as feridas. Embebem-se nesta mesma decocção concentrada, sem a adoçar.


Outros nomes: eupatória, eupatório-dos-gregos, erva-dos-gregos, erva-hepática. Brasil: eupatório. Esp.: agrimonia común, eupatorio, hierba de San Guillermo, cientoenrama. Fr.: aigremoine [eupatoire], herbe de Saint-Guillaume. Ing.: [common] agrimony.

Habitat: Prefere as sebes, margens de bosques e ribanceiras, em climas temperados. Encontra-se em toda a Europa e no Sul do continente americano.

Descrição: Planta herbácea da família das Rosáceas, de 40 a 60 cm de altura, com caules erectos, no cimo dos quais se dispõem em ramalhete as suas flores amarelas. As sementes dos frutos estão cheias de ganchinhos que aderem à roupa de quem passa e ao pêlo dos animais.

Partes utilizadas: as flores e as folhas.


Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1,  de Jorge D. Pamplona Roger

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close