cancro

O que é o cancro?

Conforme escrito por Lise Bourbeau no seu livro O teu corpo diz “ama-te” o cancro: representa simultaneamente uma alteração da própria célula e um desvio considerável do mecanismo de reprodução de todo um grupo celular.

Por outras palavras, o cancro é uma irregularidade tanto do funcionamento e desempenho do papel da célula, como da sua reprodução. Christopher Vasey no seu livro Compreender as doenças Graves afirma:

“A particularidade de uma célula cancerosa é a de dar lugar a duas células geradoras, que, por sua vez, originam, também, duas outras células geradoras e assim sucessivamente. Portanto, o número de células do tecido canceroso não permanece estável; cresce rapidamente.”

O cancro tem cura?

Não podemos afirmar que alguma coisa tem cura. O nosso organismo, um universo inteligente, tem mecanismos naturais e infalíveis para repor o equilíbrio.

Mas, devido à intoxicação do terreno, às carências de elementos essenciais às células, como por exemplo o magnésio, e à postura que o homem moderno tem em relação à vida, o corpo, na sua tentativa de sobrevivência, esgota os seus recursos, sendo que na maioria dos casos se vê impossibilitado de recuperar.

O cancro só se desenvolve se tiver condições para isso, assim como tudo na natureza. Uma planta não sobrevive sem água, luz e nutrientes e um aglomerado de células anormais também não vinga se lhe tirarem as condições propícias para o seu crescimento.

E que condições são essas?

Um sistema imunitário debilitado, um organismo intoxicado, carências de nutrientes essenciais e uma postura de negação em relação à vida; todos estes aspectos contribuem para o desenvolvimento de doenças e o cancro não é exceção.

E como resolver este problema?

Na maioria dos casos tratar apenas o corpo não é suficiente; tem que haver uma reciclagem da mente.

Existem formas de fortalecer o corpo, para que em conjunto com a reciclagem de conceitos, o organismo possua todas as condições necessárias para o reequilíbrio e bem-estar.

O Aloés é considerada uma planta milagrosa, por todos os benefícios que traz ao organismo. Não cura nada, mas em muitos casos dá ao nosso corpo as condições para que ele desempenhe o seu papel.

Desde que comecei a estudar o Aloés, sempre fui “encaminhada” para a poção do Padre Romano.

Esta poção é responsável por diversas “curas” de cancros e basta folhear qualquer livro sobre o Aloés para vermos mencionada a sua eficácia.

Antes de vos transcrever a receita para este remédio natural, deixo-vos um pouco da sua história de quem a criou.

O Padre Romano Zago, de descendência italiana, nasceu no Brasil em 1932. A sua intenção com a criação desta poção era que toda a gente pudesse beneficiar de saúde através da utilização de algo que nos dá tudo para o nosso bem-estar: a natureza. Ao longo da sua vida, foi espalhando a sua mensagem e dando a sua poção a todos os que queriam usufruir dela. Chegou mesmo a escrever um livro sobre esta fantástica poção.

Como fazer o remédio do padre romano?

Ingredientes:

-500gr de mel de abelha;

-40 a 50 ml de bebida destilada não fermentada (aguardente, cognac ou whisky)

-Duas ou três ou quatro folhas de Aloes arborescens, de forma a que dispostas em fila indiana perfaçam 01 metro ou 500 gramas de Aloé Vera

Preparação:

Corte os espinhos laterais das folhas e remova a poeira ou sujidade das folhas com um pano húmido ou uma esponja.

Coloque as folhas cortadas em cubos pequenos, o mel e o álcool no liquidificador. Bata bem, até obter uma espécie de creme esverdeado.

Nota: Deverá colher as folhas de aloes de manhã cedo. Se for alérgico à seiva amarelada do aloés*, utilize apenas o gel interior. Se não puder consumir álcool, há quem sugira o uso do sumo de limão e no caso dos diabéticos, sugira uma fruta da época para substituir o mel.

E como tomar?

Em todas as pesquisas que fiz, não encontrei unanimidade relativamente à posologia, pois cada organismo é diferente. Sugiro que contacte um naturopata ou até que consulte o livro do Padre Romano “O Cancro tem Cura”.

Será que este remédio vai resolver o problema?

Tal como indiquei acima, a reciclagem de conceitos, na maior parte dos casos, é que nos permite a mudança e o restabelecimento total da saúde. No entanto, penso que nada se perde em experimentar, principalmente porque este remédio fortalece o sistema imunitário e no fundo ajuda à saúde de todo o organismo.

*Para ver se é alérgico à seiva amarelada do aloés, colha uma folha desta planta e recolha um pouco da seiva de tom amarelado que escorre do interior. Aplique numa pequena área das costas da mão. Se obtiver uma reação alérgica, significa que é alérgico.

Ângela Barnabé

Referências:

Lecardonnel M. O Novo Guia do Aloés, Receitas Práticas para a sua saúde. P.P.S., 2000

Bourbeau L. O teu corpo diz “ama-te”, A metafísica das doenças e do mal-estar.  Cascais: Pergaminho, 2002.

Vasey C. Compreender as doenças Graves Editorial Estampa Lda.


A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde. Para um acompanhamento mais personalizado contacte as Terapias Online ou “A Saúde Integral tem a Solução”.

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close