É um processo pela fervura em água, para a recolha das propriedades das partes mais resistentes de algumas plantas tais como caules, raízes, tubérculos e sementes frescas ou secas, que pela sua natureza concentram no seu cerne as intrínsecas virtudes da planta.

Deve ter-se em atenção a permeabilidade dc cada um destes ingredientes para evitar alterações perniciosas. Quando isso acontece, o resultado é a obtenção de um produto de inferior qualidade. Só se deve utilizar a decocção quando não há outra solução para se extrair os princípios activos de certas plantas. Todavia, a decocção é importante porque é também um meio de purificação da água. Actualmente é difícil encontrar-se água viva e pura. São muitas as vezes que tenho de recorrer à decocção para preparar urna emulsão quando não há absoluta garantia da boa qualidade da água. Nesse caso, fervo a água com gengibre ou com outra raiz de efeito purificador activo durante 5 minutos. Deixo esfriar a água e em seguida preparo a emulsão.


Modo de preparação:

Começa-se por adicionar os ingredientes à água fria e utilizando-se igualmente uma cafeteira de inox. Em seguida leva-se ao lume para que ferva. Ao levantar fervura, reduz-se a chama ao mínimo para evitar uma vaporização rápida e tumultuosa.

A ebulição suave permite manter melhor o nível da água e também o bom aproveitamento das substâncias essenciais das plantas, nomeadamente o óleo e os minerais, que são muito sensíveis ao contacto com o calor. A temperatura da água e o tempo de fervura são determinantes para o bom aproveitamento das substâncias essenciais das plantas a usar. A decocção pode demorar apenas alguns segundos ou ir até 5 minutos, consoante a consistência e o grau de solubilidade de cada um dos ingredientes utilizados. Decorrido o tempo exacto para a decocção, apaga-se o lume e deixa-se repousar de 5 a 7 minutos.

A decocção toma-se tépida ou fria, consoante os efeitos pretendidos e o clima. Guardá-la em recipientes térmicos1 pode ser uma solução, desde que a temperatura esteja abaixo dos 45°C, para evitar que o calor excessivo e contínuo altere os componentes das plantas. É absolutamente necessário observar minuciosamente o aspecto da tisana. Se apresentar sinais de turvação ou alterações de cor, no aroma ou no sabor resultantes do excesso de calor, tem de se inutilizar.

A decocção tem, regra geral, um período de validade de mais ou menos 5 horas.

As tisanas obtidas através da decocção, da infusão ou da emulsão são filtradas por um passador de vime ou de inox revestido com um pano, para impedir a passagem das minúsculas partículas que eventualmente se desprendam.

Depois de coadas, têm de apresentar limpidez. A ausência de transparência é sinal de que sofreram alterações nefastas à saúde. Pode tomar-se dois litros de tisanas por dia.

1- Os termos, no seu interior, têm de ser revestidos de vidro porque as fibras plastificadas são atacadas pelas substâncias das próprias plantas, provocando intoxicações.


Fonte: Guia Ecológico das Plantas Aromáticas e Medicinais de Zélia Sakai

Pin It on Pinterest