Embora não possa prometer que a minha proposta à base de plantas medicinais lhe cubra a cabeça de cabelo forte e abundante, pode ser que valha a pena experimentar estas alternativas naturais.

Palmeira-anã (Serenoa repens)

Esta planta é a minha melhor recomendação, se bem que ao leitor possivelmente conviesse experimentar uma combinação de tratamentos que inclua algum medicamento anticalvíce (…). O que realmente é certo é que a bioquímica apoia o uso da palmeira-anã. Sabemos que a DHT mata os folículos capilares e que esta planta bloqueia a formação da DHT. Se realmente a palmeira-anã ajuda a prevenir a queda de cabelo, então esta seria uma das plantas mais importantes para os homens, já que as investigações demonstraram que também ajuda a prevenir a hipertrofia da próstata.

Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra)

O alcaçuz contém um composto que evita a conversão da testosterona em DHT. O leitor podia preparar um champô para a prevenção da calvície acrescentando alcaçuz ao seu champô preferido durante o banho.

Alecrim (Rosmarinus officinalis)

Durante séculos, ou quiçá durante milénios, os homens e as mulheres têm dado massagens com alecrim em azeite no couro cabeludo para manter o cabelo brilhante e saudável. Para além das esperanças infundadas das pessoas, existe algum fundamento verdadeiro para recomendar este costume? As massagens no couro cabeludo ajudam sem dúvida a estimular a circulação e fomentam o crescimento do cabelo, segundo a Dr.” Wilma F. Bergfeld da Fundação Clínica de Cleveland no Ohio. Os naturopatas sugerem frequentemente massagens nocturnas no couro cabeludo com uma parte de óleo de alecrim e duas partes de óleo de amêndoa.

Salva-vermelha (Salvia miltiorrhiza) e salva (Salvia officinalis)

Segundo a tradição popular, ambas estas salvas têm uma reputação firmada há muito tempo como conservadoras do cabelo. Nos Estados Unidos, as pessoas usam frequentemente extractos de salva para enxaguar o cabelo e nos champôs. A planta, segundo se diz, tem a capacidade de evitar a queda de cabelo e de manter-lhe a cor. Este uso popular destas plantas, provavelmente não provocará dano algum, pelo que lhe sugiro que experimente juntar algumas colheres de tintura de salva ao champô.

Cavalinha (Equisetum, várias espécies)

O selénio e o silício são minerais que ajudam a estimular a circulação no couro cabeludo e como resultado ajudam a conservar o cabelo, segundo as indicações dos médicos naturopatas. Ambos os minerais abundam na cavalinha. Eu experimentaria juntando aproximadamente uma colherzinha de cavalinha seca aos meus chás à base de ervas, mas o leitor deveria consultar um terapeuta antes de usar esta planta.

Açafroa (Carthamus tinctorius)

Na medicina chinesa à base de plantas medicinais, a açafroa é considerada como um vasodilatador, substância que provoca a dilatação dos vasos sanguíneos. Aparentemente, isto também ajuda a que se abram os vasos sanguíneos do couro cabeludo, e os médicos chineses acreditam que a açafroa ajuda a obter nutrientes para os folículos capilares. O leitor pode dar uma massagem no couro cabeludo com óleo de açafroa ou pode pulverizar algumas colheres de sementes e juntá-las em pó a um champô à base de ervas.

Sésamo/Gergelim (Sesamum indicum)

O uso das sementes de gergelim no tratamento da calvície é também um método chinês, de acordo com o farmacognosista (farmacêutico de produtos naturais) Dr. Albert Leung. Somente por causa do seu bom sabor, o leitor pode juntar sementes de gergelim tostadas a todo o tipo de pratos, mas se além do mais o ajuda a conservar o cabelo, então tanto melhor.

Urtiga (Urtica dioica)

A tintura das folhas de urtiga pode ajudar a prevenir a calvície naquelas pessoas com cabelo ralo, de acordo com o Dr. Rudolf Fritz Weiss, o mais reputado dos médicos alemães que utilizam plantas medicinais e autor de Herbal Medicine. Não conheço os estudos que apoiam esta tese, mas respeito o Dr. Weiss.

Talvez o seu apoio à urtiga proceda da Doctrine of Signatures, cuja ideia era que a aparência das plantas indicava o seu valor medicinal. A urtiga é uma “planta peluda”, pelo que esta doutrina podia apoiar o seu uso para problemas de queda de cabelo.

Por outro lado, talvez haja algumas outras provas para recomendar esta planta para a calvície. Quanto mais os investigadores estudam a urtiga, mais utilizações parecem encontrar-lhe. Tomar uma ou duas colherzinhas por dia – ou uma ou duas chávenas de chá de urtiga – seguramente não lhe fará mal.

Fonte: Farmácia Verde, de James A. Duke (adaptado)

Composto e postado por Ângela Barnabé

 

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close