Roseira (Rosa gallica L.) – Suaviza, desinfecta e tonifica

A fantasia dos floricultores permitiu, por meio da hibridação, criar mais de 10 000 variedades de rosas diferentes, todas elas dotadas de extraordinário perfume e delicadeza. No entanto, do ponto de vista medicinal, a Rosa gallica ou rosa-rubra é aquela que maiores e melhores propriedades oferece.

Propriedades e Indicações:

As pétalas da rosa contêm abundantes taninos com propriedades adstringentes; antocianinas, responsáveis pela sua cor, dotadas de acção anti-séptica; essência, também anti-séptica; ácidos orgânicos, cera e princípios amargos.

Embora as pétalas da rosa tenham sido elogiadas por alguns -guiados talvez mais pelo sentido poético do que pelo científico- como remédio quase universal, as suas propriedades são basicamente adstringentes, anti-inflamatórias e anti-sépticas. Proporcionam também uma certa acção sedativa sobre o sistema nervoso. Têm as seguintes aplicações médicas:

– Afecções ginecológicas: A infusão de pétalas de rosas usa-se em irrigações vaginais em caso de leucorreia (aumento do fluxo vaginal), vaginite, cervicite (inflamação do colo do útero). Torna-se muito apropriada para a higiene dos órgãos genitais externos femininos, aplicada em lavagens e irrigações (4).

– Afecções digestivas: As pétalas de rosa são úteis para travar as diarreias de diversas origens, em especial as estivais (1). A sua acção adstringente é suave, mas é completada pelo seu poder anti-séptico.

Afecções respiratórias superiores: Tanto bebida (1) como aplicada em gargarejos, bochechos e lavagens nasais (2), a infusão de pétalas ou a água de rosas são eficazes em caso de catarro nasal, sinusite, faringite e rouquidão.

-Afecções oculares: A infusão de pétalas é excelente em lavagens oculares nos casos de irritação ocular e conjuntivite, especialmente para as crianças (3) Alivia a comichão, desinflama as delicadas mucosas da conjuntiva ocular e exerce uma interessante acção anti-séptica.

Doenças psicossomáticas: A infusão de pétalas acalma o stress, a insónia e outros transtornos nervosos relacionados com a génese da úlcera gastroduodenal, a angina de peito, a asma bronquial e o cólon irritável (1) .

– Cuidado da pele: a água de rosas tonifica a pele, limpa a cútis e combate as rugas e a acne (6). As mulheres romanas já a usava com êxito há mais de 2000 anos (5).

 

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão com 20-30 g de pétalas por litro de água, de que se tomam 4-6 chávenas diárias (adoçada com mel).

Uso externo

A mesma infusão que se emprega externamente usa-se em: €) gargarejos, bochechos e lavagens nasais,

2- Lavagens oculares,

3- lavagens e irrigações vaginais,

4-loções e compressas sobre a pele.

5-Água de rosas: Prepara-se nos laboratórios por destilação ou por dissolução da essência.

 

Outros nomes: rosa-rubra, rosa-vermelha, rosa-da-provença, rosa-gálica, rosa-francesa-dobrada, rosa-de-alexandria. Brasil: rosa-francesa. Esp.: rosa de Francia, rosa rubia, rosal francés, rosal castellano, rosal de Jericó. Fr.: rosier, rose. Ing.: rose.

Habitat: Muito comum nos países mediterrâneos, onde prefere os terrenos calcários e expostos ao sol. Actualmente acha-se difundida por todo o mundo. Descrição: Arbusto de 0,5 a 1,5 de altura, da família das Rosáceas, com caules erectos providos de espinhos, e flores solitárias, grandes, vermelhas e aveludadas.

Partes utilizadas: as pétalas das flores.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close