Roseira (Rosa gallica L.) – Suaviza, desinfecta e tonifica

A fantasia dos floricultores permitiu, por meio da hibridação, criar mais de 10 000 variedades de rosas diferentes, todas elas dotadas de extraordinário perfume e delicadeza. No entanto, do ponto de vista medicinal, a Rosa gallica ou rosa-rubra é aquela que maiores e melhores propriedades oferece.

Propriedades e Indicações:

As pétalas da rosa contêm abundantes taninos com propriedades adstringentes; antocianinas, responsáveis pela sua cor, dotadas de acção anti-séptica; essência, também anti-séptica; ácidos orgânicos, cera e princípios amargos.

Embora as pétalas da rosa tenham sido elogiadas por alguns -guiados talvez mais pelo sentido poético do que pelo científico- como remédio quase universal, as suas propriedades são basicamente adstringentes, anti-inflamatórias e anti-sépticas. Proporcionam também uma certa acção sedativa sobre o sistema nervoso. Têm as seguintes aplicações médicas:

– Afecções ginecológicas: A infusão de pétalas de rosas usa-se em irrigações vaginais em caso de leucorreia (aumento do fluxo vaginal), vaginite, cervicite (inflamação do colo do útero). Torna-se muito apropriada para a higiene dos órgãos genitais externos femininos, aplicada em lavagens e irrigações (4).

– Afecções digestivas: As pétalas de rosa são úteis para travar as diarreias de diversas origens, em especial as estivais (1). A sua acção adstringente é suave, mas é completada pelo seu poder anti-séptico.

Afecções respiratórias superiores: Tanto bebida (1) como aplicada em gargarejos, bochechos e lavagens nasais (2), a infusão de pétalas ou a água de rosas são eficazes em caso de catarro nasal, sinusite, faringite e rouquidão.

-Afecções oculares: A infusão de pétalas é excelente em lavagens oculares nos casos de irritação ocular e conjuntivite, especialmente para as crianças (3) Alivia a comichão, desinflama as delicadas mucosas da conjuntiva ocular e exerce uma interessante acção anti-séptica.

Doenças psicossomáticas: A infusão de pétalas acalma o stress, a insónia e outros transtornos nervosos relacionados com a génese da úlcera gastroduodenal, a angina de peito, a asma bronquial e o cólon irritável (1) .

– Cuidado da pele: a água de rosas tonifica a pele, limpa a cútis e combate as rugas e a acne (6). As mulheres romanas já a usava com êxito há mais de 2000 anos (5).

 

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão com 20-30 g de pétalas por litro de água, de que se tomam 4-6 chávenas diárias (adoçada com mel).

Uso externo

A mesma infusão que se emprega externamente usa-se em: €) gargarejos, bochechos e lavagens nasais,

2- Lavagens oculares,

3- lavagens e irrigações vaginais,

4-loções e compressas sobre a pele.

5-Água de rosas: Prepara-se nos laboratórios por destilação ou por dissolução da essência.

 

Outros nomes: rosa-rubra, rosa-vermelha, rosa-da-provença, rosa-gálica, rosa-francesa-dobrada, rosa-de-alexandria. Brasil: rosa-francesa. Esp.: rosa de Francia, rosa rubia, rosal francés, rosal castellano, rosal de Jericó. Fr.: rosier, rose. Ing.: rose.

Habitat: Muito comum nos países mediterrâneos, onde prefere os terrenos calcários e expostos ao sol. Actualmente acha-se difundida por todo o mundo. Descrição: Arbusto de 0,5 a 1,5 de altura, da família das Rosáceas, com caules erectos providos de espinhos, e flores solitárias, grandes, vermelhas e aveludadas.

Partes utilizadas: as pétalas das flores.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pode também gostar de:

Holler Box

Pin It on Pinterest