Maravilha ( Calendula officinalis L.) – Cura as feridas e normaliza a menstruação

A maravilha, ou calêndula, é um exemplo vivo de como a beleza e a utilidade se podem conjugar. As flores desta planta saúdam o sol da manhã, abrindo-se e mostrando o seu formoso colorido. No fim da tarde, fecham-se discretamente, até à manhã seguinte. Os partidários da teoria dos sinais, defendida por Paracelso e outros médicos renascentistas, recomendavam-na para a icterícia e para os transtornos da vesícula biliar, devido ao facto de a cor das flores ser parecida com a da bílis. Não se enganaram muito aqueles pioneiros da ciência médica, porque hoje, que se conhecem as suas propriedades, continua a ter essas mesmas indicações, além de outras mais que se foram descobrindo.

Propriedades e Indicações:

As flores da maravilha contêm carotenóides (provitamina A), um princípio amargo (calendina), flavonóides, saponinas, resinas, óleos essenciais e pequenas quantidades de ácido salicílico.

Todas estas substâncias se combinam para fazer desta flor um remédio precioso. As suas propriedades mais notáveis são:

Emenagoga e reguladora do ciclo menstrual: Dá resultado tanto em casos de menstruação escassa, pelo seu efeito emenagogo, como quando existe uma perda excessiva de sangue. Assim, pois, a maravilha normaliza a frequência das regras e a sua quantidade. Também elimina a dor que se produz com a menstruação (dismenorreia), pois tem acção espasmolítica (combate os espasmos dolorosos) e ligeiramente sedativa. Toma-se desde uma semana antes da data esperada para a menstruação, até que esta tenha terminado  (1) Os resultados são muito notáveis.

Colerética: Aumenta a produção de bílis no fígado. É portanto indicada nos casos de congestão ou insuficiência hepática (1).

Antiulcerosa: Tem a capacidade de cicatrizar as úlceras do estômago e do duodeno (1). O seu efeito é mais intenso quando se associa com a urtiga e a verónica. Pelo seu efeito cicatrizante e anti-inflamatório, também é eficiente nos casos de gastrite (inflamação do estômago), gastrenterite e vómitos (1).

Anti-inflamatória, anti-séptica e cicatrizante: É uma das plantas que mais se evidenciam pela sua qualidade vulnerária, isto é, curadora de feridas e contusões. Aplicada localmente, acelera de forma notável a cura de feridas, inclusive infectadas, assim como de úlceras da pele, queimaduras, furúnculos e eczemas (2,3,4). Aplicada localmente, tem acção anti-reumática (2,3).

Calicida (elimina os calos). Em aplicação local, faz desaparecer as verrugas víricas (vulgares) da pele (2,4,5). Isto deve-se ao seu conteúdo em ácido salicílico.

Emoliente (suavizante da pele): O óleo de calêndula suaviza a pele (5). Muito indicado para peles secas ou delicadas, e para as crianças. O óleo (5) e a pomada (6) dão resultados muito bons no tratamento de queimaduras e eczemas.

Preparação e emprego

Uso interno

 1-lnfusão com uma ou duas flores por chávena de água, da qual se tomam duas ou três chávenas por dia. Pode-se adoçar com mel.

Uso Externo

2- compressas e lavagens com uma decocção de 2 punhados de flores por litro de água. Aplicam-se sobre a zona da pele afectada.

3- Cataplasmas com pétalas das flores frescas, que se aplicam envoltas num pano fino de algodão.

4-Loção de sumo fresco das flores: Aplica-se sobre a zona da pele afectada.

5-Óleo: Aplica-se directamente sobre a pele. Pode também acrescentar-se à água do banho para obter um agradável efeito suavizante sobre a pele.

6-Pomada: Pode-se preparar uma pomada esmagando 100 g de flores frescas e misturando o sumo resultante com 500 g de manteiga ou outro veículo gordo.

Outros nomes: calêndula. Esp.: caléndula oficinal, maravilha [de iardín]. Fr.: souci [des jardins]. Ing: calendula, [garden] marigold.

Habitat: Originária do Egipto, embora se cultive nos jardins da Europa e de toda a América. Também se pode encontrar em estado silvestre.

Descrição: Planta herbácea da família das Compostas, anual, que mede de 30 a 50 cm de altura. As folhas são alongadas, dentadas e carnosas, e as flores vistosas, amarelas ou alaranjadas.

Partes utilizadas: as flores.

 

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close