Dioscórides já mencionava esta planta no século I d.C., e salientava o facto de que as andorinhas facultam a vista aos seus filhotes tocando-lhes os olhos com um pouco de celidónia.

Propriedades e Indicações:

O látex que mana de toda a planta contém uns dez alcalóides, dos quais o mais activo é a quelidonina. Tem propriedades coleréticas, antiespasmódicas, sedativas e ligeiramente soporíferas (indutoras do sono). Tem sido utilizada com êxito em casos de cólicas nefríticas e biliares, icterícia e insuficiência hepática, asma e angina de peito (1).  No entanto, devido à sua toxicidade, hoje utiliza-se sobretudo por via externa. Os alcalóides do látex têm propriedades antimitóticas e antiúricas. Cura as verrugas, o herpes, os calos e calosidades, com bons resultados mesmo nos casos mais persistentes e difíceis de tratar (2).

Preparação e emprego

Uso interno

1-lnfusão de 30 g de folhas ou raízes trituradas por chávena de água, da qual se podem beber até duas chávenas por dia.

Uso externo

2-Látex: Aplicam-se umas gotas directamente sobre a verruga ou a pele afectada, protegendo a pele sã circundante com adesivo. Costumam ser suficientes três aplicações diárias durante 2 ou 3 semanas.

 

Precauções : Não exceder as doses indicadas. Não aplicar sobre feridas abertas.

 

Outros nomes: erva-andorinha, erva-das-verrugas, quelidónia, quelidónia-maior, grande-quelidónia, ceruda. Madeira: cedronho. Esp.: Çelidonia mayor, hierba celidonia, hierba verruguera, hierba de la golondrina. Fr.: [grande] chélidoine, herbe d’hirondelle. lng.: [greater] celandine.

Habitat: Muros húmidos e sombrios, escombros e beiras dos caminhos de toda a Europa. Em Portugal encontra-se do Minho ao Algarve. Naturalizada na América do Norte.

Descrição: Planta herbácea vivaz, da família das Papaveráceas, que atinge de 30 a 100 cm de altura, de flores amarelas e cheiro fétido.

Partes utilizadas: as folhas, a raiz e o látex de cor amarelada ou alaranjada que se desprende quando se corta a planta.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pode também gostar de:

    None Found

Holler Box

Pin It on Pinterest