Dioscórides já mencionava esta planta no século I d.C., e salientava o facto de que as andorinhas facultam a vista aos seus filhotes tocando-lhes os olhos com um pouco de celidónia.

Propriedades e Indicações:

O látex que mana de toda a planta contém uns dez alcalóides, dos quais o mais activo é a quelidonina. Tem propriedades coleréticas, antiespasmódicas, sedativas e ligeiramente soporíferas (indutoras do sono). Tem sido utilizada com êxito em casos de cólicas nefríticas e biliares, icterícia e insuficiência hepática, asma e angina de peito (1).  No entanto, devido à sua toxicidade, hoje utiliza-se sobretudo por via externa. Os alcalóides do látex têm propriedades antimitóticas e antiúricas. Cura as verrugas, o herpes, os calos e calosidades, com bons resultados mesmo nos casos mais persistentes e difíceis de tratar (2).

Preparação e emprego

Uso interno

1-lnfusão de 30 g de folhas ou raízes trituradas por chávena de água, da qual se podem beber até duas chávenas por dia.

Uso externo

2-Látex: Aplicam-se umas gotas directamente sobre a verruga ou a pele afectada, protegendo a pele sã circundante com adesivo. Costumam ser suficientes três aplicações diárias durante 2 ou 3 semanas.

 

Precauções : Não exceder as doses indicadas. Não aplicar sobre feridas abertas.

 

Outros nomes: erva-andorinha, erva-das-verrugas, quelidónia, quelidónia-maior, grande-quelidónia, ceruda. Madeira: cedronho. Esp.: Çelidonia mayor, hierba celidonia, hierba verruguera, hierba de la golondrina. Fr.: [grande] chélidoine, herbe d’hirondelle. lng.: [greater] celandine.

Habitat: Muros húmidos e sombrios, escombros e beiras dos caminhos de toda a Europa. Em Portugal encontra-se do Minho ao Algarve. Naturalizada na América do Norte.

Descrição: Planta herbácea vivaz, da família das Papaveráceas, que atinge de 30 a 100 cm de altura, de flores amarelas e cheiro fétido.

Partes utilizadas: as folhas, a raiz e o látex de cor amarelada ou alaranjada que se desprende quando se corta a planta.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close