Carlina (Carlina acualis L.) – Um antibiótico pouco conhecido

Que será aquele disco amarelo como um grande ovo estrelado, que se vê naquele campo? -Parece um cardo! Efectivamente, trata-se da carlina, uma dessas plantas que não podem passar despercebidas a caminhantes e excursionistas. Conta a lenda que Carlos Magno foi avisado, por um anjo, da utilidade desta planta para evitar a peste nos seus exércitos. Deu-a então a comer a todos os seus soldados, que assim se livraram da tão terrível epidemia. Por isso se chama Carlina, em honra do imperador gaulês. Depois atribuiu-se a lenda a outro imperador, também chamado Carlos: o V da Alemanha e I de Espanha, pai de Filipe II de Espanha e l de  Portugal. Tanta foi a fama que a carlina chegou a adquirir como preventiva da peste, que até o eminente botânico espanhol Andrés de Laguna (1499-1560), médico pessoal do papa Júlio III, recomendava a sua raiz como «admirável remédio contra a pestilência”.

Lamentavelmente, apesar da carlina, muitos milhões de europeus continuaram a ser vitimados pela peste. Durante vários séculos, médicos e farmacêuticos têm esboçado um céptico sorriso perante as pretensões de Laguna. Como é possível prevenir ou curar a peste, uma doença infecciosa causada por um microrganismo, mediante o uso de uma planta medicinal? Porém, numa dessas voltas que a história dá, descobriu-se, não há muito tempo, que a carlina contém uma substância antibiótica: o carlinóxido. Actualmente está a ser investigado o efeito antibiótico desta substância e as suas possíveis aplicações.

Propriedades e Indicações:

A raiz da carlina contém inulina (glícido), resina, tanino e um óleo essencial, entre cujos componentes se encontra o carlinóxido. O conjunto destes princípios activos confere-lhe as seguintes propriedades:

Sudorífica e algo diurética. Isto torna-a útil nos casos de gripe, constipações e catarros (1,2) Font Quer regista que a raiz da carlina foi utilizada, com êxito, numa epidemia -embora não de peste mas de gripe- que em 1918 assolou toda a Europa. Isto torna-se muito mais verosímil, depois de se ter descoberto que a raiz da carlina contém substâncias de acção antibiótica.

-Vermífuga. Tomada em jejum durante quatro ou cinco dias seguidos, é eficaz contra parasitas intestinais (ténias e lombrigas) (1,2).

Tonificante do estômago e colagoga (facilita o esvaziamento da vesícula biliar). É portanto indicada sempre que se trate de estimular os processos digestivos: inapetência, digestões pesadas, gastrites (1,2).

Preparação e emprego

Uso interno

1-Decocção com raiz triturada (20-30 g por litro de água). Tomam-se 2 ou 3 chávenas por dia, mas sem exceder a dose, já que pode provocar náuseas.

2-Como hortaliça: O interior da carlina (o receptáculo floral carnudo) pode-se comer cozido com batatas ou assado. O seu sabor lembra o da alcachofra, e é muito apreciado nalgumas regiões de França, onde a planta é conhecida como “alcachofra silvestre”. Contém os mesmos princípios activos que a raiz, embora em menor proporção.

 

Outros nomes : carlina-oficinal. Esp: carlina angélica, cardo de San Pelegrín. Fr.: carline, artichaut sauvage. lng.: carline.

Habitat: Vegeta nos prados abertos de zonas montanhosas. Frequente nos Pirenéus e na Europa Central.

Descrição: Planta espinhosa parecida com um cardo, da família das Compostas, que cresce quase rente ao solo com um caule muito curto (menos de 20 cm). O capítulo floral é formado por mais de cem florezinhas de cor amarela escura, que assentam sobre um disco plano de cerca de 10 cm de diâmetro. As folhas são rad i antes, muito espinhosas.

Partes utilizadas: a raiz (muito profunda: 1 a 2 m) e o capítulo floral (alcachofra).

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close