borragem

Borragem (Borago officinalis) – Um bom depurativo primaveril

O seu nome, segundo parece, é de origem árabe: abou rash, que significa “pai do suor”, em alusão à acentuada propriedade sudorífica das suas flores. La Quintine, o jardineiro do rei Luís XIV de França, considerava-a uma verdura deliciosa, e reservou-lhe um lugar especial no jardim real, juntamente com outras plantas depurativas. Apesar disso, talvez por não lhe ter prestado atenção, o famoso rei foi vítima de diversas doenças: artritismo e gota, entre outras.

Propriedades e Indicações:

 Toda a planta contém abundantes sais minerais, especialmente nitrato de potássio, assim como cálcicos e cilícicos. Contém ainda mucilagens e flavonóides. São três as suas propriedades mais notáveis:

-Sudorífica (sobretudo as flores): Favorece a produção de suor, com o que se eliminam impurezas e resíduos metabólicos que circulam pelo sangue. Daí o ser muito útil nas doenças infecciosas e febris em geral (sarampo, varicela, escarlatina, etc.). Dado que tem ao mesmo tempo uma acção expectorante, é especialmente indicada em bronquites agudas, catarros brônquicos, gripes e constipações (1).

Diurética: Aumenta a produção de urina e a eliminação de ureia, ácido úrico e outras substâncias residuais. Interessa portanto a quem sofra de gota, artritismo ou nefrite (inflamação dos rins) (2).

A combinação dos seus efeitos sudorífico e diurético fazem da borragem um excelente depurativo do sangue. A melhor altura para colher e utilizar as folhas é precisamente na Primavera, época do ano em que são mais convenientes as curas depurativas. Para obter um efeito mais acentuado, recomenda-se associá-la com outras plantas depurativas.

-Emoliente e anti-inflamatória (desinflama a pele e as mucosas), devido ao seu conteúdo em mucilagem e também em prostaglandinas. Aplica-se externamente em forma de cataplasma para aliviar as dores da gota e amadurecer os furúnculos e abcessos. Conseguem-se igualmente bons resultados quando se aplica sobre os eczemas e queimaduras leves (4).

 Por sua vez, o óleo de sementes de borragem apresenta propriedades interessantes:

Hipolipemiante: É muito rico em ácido linoleico (um ácido gordo polinsaturado). Este óleo é, portanto, de efeitos hipolipemiantes (faz descer o colesterol do sangue) (3).

Regulador hormonal: O óleo de sementes de borragem actua também como regulador do sistema hormonal e como normalizador dos ciclos em caso de dismenorreia (transtornos da menstruação) (3).

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão com 30 ou 40 g de flores e/ou folhas por litro de água. Filtrar para eliminar os pelinhos e adoçar com mel, caso se prefira. Quando se queira conseguir um predomínio do efeito sudorífico, devem-se empregar sobretudo as flores. Tomam-se de 3 a 5 chávenas por dia.

2-Sumo fresco das folhas antes da floração, como depurativo primaveril. Para isso trituram-se e espremem-se com um pano fino de algodão, ou passam-se por uma liquidificadora eléctrica. Ingere-se um copo de sumo acabado de fazer, todas as manhãs em jejum. Pode-se combinar com o sumo de outras plantas depurativas.

3-Óleo de sementes: Existem preparados em forma de cápsulas, Tomam-se de 75 a 150 mg, três vezes por dia.

Uso externo

4- Cataplasmas com folhas esmagadas, que se aplicam sobre as partes afectadas. As folhas podem ser cruas ou, então, escaldadas com água a ferver. Neste caso, a cataplasma aplica-se quente, o que facilitará o amadurecimento de furúnculos e abcessos.

Outros nomes: borrage. Esp.: bonaja [común], bora, corrago, alcohelo. Fr.: bourrache. Ing.: borage.

Habitat: Originária do Norte de África, embora cultivada em toda a Europa e América. No Sul da Europa encontra-se no estado silvestre, em terras arenosas e expostas ao sol.

Descrição: Planta herbácea da família das Borragináceas, que atinge entre 30 e 70 cm de altura. Toda a planta se encontra coberta de pequenos pêlos tesos de cor branca. As flores são atraentes, de cor azul, violeta ou branca, e com 5 pétalas.

 Partes utilizadas: as folhas, as flores e o óleo das sementes.

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.2, de Jorge D. Pamplona Roger

Composto e postado por Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close