A arritmia cardíaca é uma afecção séria que deve ser tratada por um médico. Se eu padecesse dela, pelo seguro tomaria os remédios que o médico me receitasse. Mas consultaria o meu médico – e muitos deles estão cada vez mais abertos à utilização de remédios à base de plantas medicinais no sentido de utilizar algumas plantas medicinais.

Angélica (Angelica archangelica)

Esta planta possui pelo menos catorze compostos “antiarritmia”, um dos quais é considerado tão activo alguns medicamentos. Sugiro que tome a angélica sob a forma da minha “Angelada”. Para fazer esta saborosa mistura, coloque angélica, cenoura, aipo, funcho, alho e  cherívias (pastinacas) no seu espremedor de sumos.

Pode acrescentar um pouco de água e especiarias para que resulte mais agradável ao paladar. Se carregar na cenoura e no alho, pode ficar mais saboroso. Sugiro que tome de um a dois copos de 240 ml. O aipo contém bloqueantes de cálcio e outras substâncias químicas (fitoquímicos) tais como a apigenina, apiin, magnésio e potássio que ajudam a prevenir e a tratar a arritmia, e outros compostos que ajudam a baixar a pressão arterial e o colesterol. O alho também parece ser um potente agente contra a arritmia. Em vários estudos, os animais de laboratório que ingeriram pó de alho mostraram menos taquicardia e fibrilhação.

Quina (Cinchona, várias espécies)

Esta planta é a fonte do quinino, que é famoso como tratamento da malária. O quinino começou a ser considerado como um remédio para problemas de coração há cerca de um século. A lenda diz-nos que um comerciante alemão com fibrilhação auricular consultou muitos médicos que lhe disseram que essa enfermidade não tinha remédio. Procurou remédio por sua conta e tomou 1 g de quinino. Quando voltou a ver os médicos, no dia seguinte, tinha o pulso regular. O composto-chave é a quinidina, considerada actualmente como medicamento padronizado para a arritmia. A quinidina não é o único composto desta planta – tem mais de uma dúzia. Já que quando se bebe água tónica ingerem-se alguns destes compostos, eu tomaria bastante água tónica se tivesse arritmia.

Espinheiro (Crataegus, várias espécies)

O espinheiro é um tónico para o coração com séculos de antiguidade, e as investigações modernas confirmaram o uso tradicional. Muitos dos estudos indicam que ajuda a prevenir os problemas cardíacos, fortalecendo os músculos do coração, melhorando a circulação sanguínea através do coração e reduzindo as suas necessidades em oxigénio. Também ajuda o sangue a circular com menos esforço através do coração. Os médicos naturopatas recomendam os extractos normalizados. O tipo de extracto é importante e incluirei estes pormenores para que o leitor possa discuti-los com o seu médico e para que tenha a certeza de tomar o remédio correcto à base da planta, no caso de o seu médico lhe dar luz verde para o tomar. (Faço-lhe notar que os naturopatas não recomendam a ingestão de espinheiro cru. Tome nota também de que em alguns estados os naturopatas não são obrigados a ter licença. Se tem alguma prova de afecção cardíaca deve averiguar acerca das credenciais e do treino do seu naturopata. Se não está seguro de como proceder, consulte o seu médico.)

Os extractos recomendados contêm 1,8% de vitexina-4-ramnósido ou 10% de procianidas oligoméricas (OPC, segundo a sigla em inglês) em doses de 120mg-240mg três vezes ao dia. Se os extractos estão normalizados a 18% de OPC, a dose recomendada é de 240 mg-480 mg uma vez por dia. Para obter estes extractos deve consultar um naturopata. Têm aparecido informações dispersas segundo as quais o espinheiro pode incrementar, em alguns casos, as arritmias cardíacas. Não tenho dado muita atenção a estas informações, mas mais vale prevenir que remediar. Se vai tratar-se com esta planta, necessita de acompanhamento médico.

Colza (Brassica, várias espécies)

Os cardiologistas australianos demonstraram que uma dieta à base de óleo de colza ajuda a prevenir as arritmias cardíacas em animais de laboratório. Aposto que esta planta também podia ajudar as pessoas.

Âmio-maior (Ammi majus)

Esta planta é a fonte da amiodarona (Cordarona), um dos medicamentos-chave no tratamento da arritmia. O Dr. Arthur Hollman, cardiologista de Londres, conta a história do desenvolvimento deste fármaco no seu livro Cardiology front Nature, que é um tributo aos poderes da medicina natural. Em1946, um técnico do laboratório de investigação médica do Dr. G. V. Anrepin teve um problema de rins e tratou-se com um remédio à base de uma erva chamada khella procedente do Médio Oriente. Como se fosse algo predestinado, o técnico também sofria de angina, da qual melhorou extraordinariamente enquanto tomava a erva. Intrigado com este benefício inesperado, o Dr. Anrepin estudou a planta e isolou o princípio activo: o khellin. Depois disto, todos os trabalhos conduziram ao desenvolvimento da amiodarona derivada do khellin, a qual foi utilizada originalmente no tratamento da angina. Em 1974, descobriu-se o seu efeito único na arritmia cardíaca. É possível obter os benefícios tomando a própria erva quando se está a tratar a arritmia cardíaca. Mas a recomendação usual é juntar água a ferver a meia colher de fruto de âmio-maior em pó, esperar cinco minutos e tomar o chá coado.

Astrágalo (Astragalus, várias espécies)

Também conhecido por huang qi, o astrâgalo utiliza-se principalmente como estimulante imunológico. Segundo a ervanária californiana Kathi Keville, autora de The Illustrated Herb Encyclopedia e Herbs for Health and Healing, esta planta também é um tónico para o coração que previne e trata a arritmia. Pode experimentar um chá feito com uma ou duas colherzinhas de erva seca deixada em infusão em água a ferver.

Uva-espim/Bérberis (Berberis vulgaris)

O bérberis é mais conhecido como antibiótico à base de ervas porque contém berberina, um composto que se encontra no hidraste. A berberina também ajuda a prevenir e a tratar as arritmias ventriculares, segundo o Dr. Melvyn Werbach, professor auxiliar de Psiquiatria Clínica na Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e autor de Nutritional Influencies on Ilness. Num estudo realizado na China, a berberina reduziu em mais de cinquenta por cento as arritmias ventriculares em mais de metade dos pacientes que a utilizaram. Para além do hidraste, as outras ervas com berberina são a maónia (Mahonia aquifulium) e o fio-de-ouro-da-gronelândia. A melhor maneira de tomar esta erva é comprando o extracto normalizado à base de ervas numa loja de produtos naturais ou numa loja de ervas e seguir as instruções da embalagem. É possível fazer um chá utilizando uma colherzinha ou duas de erva seca numa chávena de água a ferver.

Ginkgo” (Ginkgo biloba)

O ginkgo é o tónico cardíaco preferido dos chineses. Não conheço estudos que mostrem que o ginkgo tem efeitos contra a arritmia, mas, tal como o bérberis, o ginkgo melhora o fluxo sanguíneo para o coração e diminui as exigências de oxigénio das coronárias, reduzindo também a falta de ar e a dor do peito. Se eu tivesse uma arritmia, incluiria o ginkgo entre os meus tratamentos à base de plantas medicinais. Pode comprar extracto de ginkgo em muitas lojas de produtos naturais e deve seguir as indicações da embalagem. Pode utilizar uma dose de 60 mg-240 mg por dia, mas não muito mais. Em grandes doses, o ginkgo pode produzir diarreia, irritabilidade e insónia.

Marroio (Marrubium vulgare)

O marroio é bem conhecido como um tratamento para a tosse e os resfriados (catarros) devido a dois tipos de compostos que possui: o marrubim e o ácido marrúbico, os quais são bons expectorantes. Para além de serem expectorantes, estes compostos têm um efeito normalizador sobre o ritmo cardíaco. Pode fazer um chá utilizando duas ou três colherzinhas da erva e tomar uma chávena depois das refeições.

Agripalma (Leonurus cardiaca)

Com a palavra cardíaca no seu nome científico, esta planta medicinal deveria ajudar nos problemas cardíacos, e a ciência confirma-o. Estudos realizados na China demonstram que esta planta minora as batidas cardíacas aceleradas, melhorando em geral o funcionamento do coração. Também ajuda como tranquilizante para o sistema nervoso, reduzindo a ansiedade, a tensão nervosa e o stress que costumam acompanhar ou produzir os problemas cardíacos. Segundo dizem, os chineses consomem cerca de 252 g por dia. Isto parece-me um pouco exagerado e sugeriria um tratamento com 14 g em três copos de água a ferver durante dois ou três dias fara ver se o ajuda.

Beldroega (Portulaca oleracea) e outras plantas que contêm magnésio

Segundo as estimativas que vi, mais de setenta por cento dos norte-americanos têm insuficiência de magnésio. Talvez isto explique a grande quantidade de casos de arritmia. Os cientistas informam que o magnésio, em doses diárias de 250 mg*, ajuda a prevenir a arritmia cardíaca. A beldroega é muito rica em magnésio (cerca de dois por cento do seu peso seco). O feijão verde, as sementes de papoila (dormideira), a aveia, o feijão-frade e o espinafre também são boas fontes de magnésio. Na estação dela, cozinho beldroega tal como espinafres e como-os à vez.

“Reishi” (Ganoderma lucidum)

Os textos da dinastia Ming, no século XVII, dizem que este maravilhoso musgo medicinal chinês “cura – coração”. E o meu bom amigo, o farmacognosista (farmacêutico de produtos naturais) Dr. Albert Leung disse no seu livro Better Health with (Mostly) Chinese Herbs and Food que o reishi tem um considerável valor na prevenção e tratamento da arritmia. O reishi é um tónico cardíaco, tal como – espinheiro e o ginkgo; melhora o fluxo de sangue para o coração, reduz as exigências coronárias em oxigénio e ajuda a aliviar a dor de peito e a angina. Eu faço chá de reishi utilizando de três a seis colherzinhas da erva seca por chávena de água a ferver.

Giesta (Cytisus scoparius)

Esta planta medicinal é útil como tónico cardíaco, de acordo com a Comissão E. Alemã, a comissão de peritos alemães que avalia a segurança e a eficácia dos remédios à base de plantas medicinais. O principal constituinte activo é um composto contra a arritmia chamado sparteine. Pode fazer um chá utilizando um colherzinha de erva seca por chávena de água a ferver. Tome até duas chávenas por dia. Um aviso: a giesta também contém tiramida, o que significa que não deve ser utilizada com o tipo de antidepressivos conhecidos como inibidores de MAO. Se toma um antidepressivo, verifique se é um inibidor de MAO e, nesse caso, não utilize esta erva.

Valeriana (Valeriana officinalis)

A valeriana é bem conhecida como uma planta medicinal que ajuda a dormir, e por muito boas razões. Mas o farmacologista de plantas medicinais Dr. Daniel Mowrey, autor de The Scientific Validation of Herbal Medicine e Herbal Tonic Therapies, disse que a valeriana também contém compostos antiarritmia comprovados. De facto, nos tempos da Antiga Roma, esta erva só se utilizou para as arritmias e para as palpitações. A valeriana fornece também outros benefícios ao coração: diminui a pressão arterial, aumenta o fluxo de sangue para o coração e melhora a capacidade do coração para bombear o sangue. Esta planta medicinal tem um odor muito desagradável, mas apesar disto eu experimentaria um chá preparado com uma ou duas colherzinhas da erva seca por chávena de água a ferver. Tome duas ou três por dia. Se não conseguir suportar-lhe o sabor, experimente-a sob a forma de cápsulas ou tintura. Tanto a planta seca como a tintura estão disponíveis nas lojas de produtos naturais ou lojas de ervas. Siga as instruções da etiqueta.

Fonte: Farmácia Verde, de James A. Duke (adaptado)

Composto e postado por Ângela Barnabé

 

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close